10 setembro 2011

7 desejos da Ana #7


Boa tarde a você, caro leitor, que veio correndo ver o que a blogueira que lhe escreve está desejando nesta quinzena...
Estive respondendo os comentários no blog na quarta e só pude fazê-lo novamente hoje, mas estou retribuindo todas as visitas adequadamente. Se você comentar hoje, aguarde que em breve terá uma resposta...
Na sétima edição dos desejos da Ana, resolvi deixar as fontes das sinopses em itálico, pois há algumas enormes e que tornariam a postagem excessivamente enfadonha. Os meus comentários ficarão abaixo delas. 
Espero que gostem da lista desta quinzena!

1. Os 13 porquês por Jay Asher
Ao voltar da escola, Clay Jensen encontra na porta de casa um misterioso pacote com seu nome. Dentro, ele descobre várias fitas cassetes. O garoto ouve as gravações e se dá conta de que elas foram feitas por Hannah Baker - uma colega de classe e antiga paquera -, que cometeu suicídio duas semanas atrás. Nas fitas, Hannah explica que existem treze motivos que a levaram à decisão de se matar. Clay é um desses motivos. Agora ele precisa ouvir tudo até o fim para descobrir como contribuiu para esse trágico acontecimento.
 Lembro-me de maneira muito remota de ter lido algo a respeito desse livro, creio que tenha sido divulgação mas, especialmente hoje, devido a uma resenha da Luana do Mulher Gosta de Falar, fiquei louca para conhecer a intrigante história de Hannah e o que a levou a suicidar-se. No Skoob são apenas comentários positivos e por eles, o livro figura em primeiro lugar da lista de hoje.



Auden resolve passar as férias de verão em Colby, uma minúscula cidade do litoral, com o pai, sua nova esposa e Thisbe, a filha do casal e sua mais nova irmãzinha. Lá, ela revê seus conceitos em relação à madrasta, encara um emprego de férias em uma boutique totalmente demais e conhece Eli, um garoto misterioso com o qual embarca em uma busca: experimentar uma adolescência sem preocupações que lhe foi negada enquanto ele procura se recuperar de um acontecimento trágico. Junte dois solitários, uma bicicleta, um estoque infindável de madrugadas com insônia, tortas e café e… tudo pode acontecer.
Devo mais uma vez os créditos da presença desse livro em minha lista a outra blogueira, a Karina do Minha Bagunça, que redigiu uma crítica muito delicada ao livro que tem ares de romance ingênuo, melancólico que em partes me lembram "Soul Love", outro livro que já apareceu em uma das minhas listas e que também não li... haha Além de quê, a capa de "A Caminho do Verão" é, indubitavelmente, encantadora!

 

Em Julho de 1209: na cidade francesa de Carcassonne, uma moça de 17 anos recebe do pai um misterioso livro, que ele diz conter o segredo do verdadeiro Graal. Embora Alaïs não consiga entender as estranhas palavras e símbolos escondidos naquelas páginas, sabe que seu destino é proteger o livro. Será preciso grandes sacrifícios e muita fé para garantir a segurança do segredo do labirinto - um segredo que remonta a milhares de anos, e aos desertos do antigo Egito...

Julho de 2005: durante uma escavação arqueológica nas montanhas ao redor de Carcassonne, Alice Tanner descobre por acaso dois esqueletos. Dentro da tumba escondida onde repousavam os antigos ossos, experimenta uma sensação de malevolência impressionante, e começa a entender que, por mais impossível que pareça, de alguma forma ela é capaz de entender as misteriosas palavras ancestrais gravadas nas pedras. Mas já é tarde demais, Alice percebe que acaba de desencadear uma aterrorizante seqüência de acontecimentos que é incapaz de controlar, e que seu destino está irremediavelmente ligado à sorte dos cátaros, oitocentos anos antes.
História polêmica, misteriosa, instigante. Também é uma obra que possui muitos fãs que garantem a sua qualidade. Gosto de tramas que envolvam história e ligações de tempo, símbolos e muitas incógnitas na vida das personagens. Penso que "Labirinto" vá corresponder às minhas expectativas e fico mais contente ainda em saber que ele é consideravelmente grande, o que me encanta, de certa forma.


Liév Tolstói escreveu Anna Kariênina entre 1873 e 1877, prestes a completar 45 anos. Depois de escrever o romance Guerra e paz , entre 1863 e 1869, dedicara-se aos afazeres agrícolas, além de fundar escolas, elaborar e difundir teorias e técnicas pedagógicas polêmicas e estudar o grego com afinco. Ao mesmo tempo, foi acumulando uma impressionante quantidade de informações sobre o tsar Pedro, o Grande. Seu intuito era escrever um romance sobre a época em que Pedro I foi o imperador da Rússia. Após tentativas obstinadas, Tolstói desistiu do projeto. Por outro lado, nutria a idéia de fazer um relato sobre uma mulher adúltera, da alta sociedade. Durante um tempo, estes dois temas levaram vidas independentes em seu pensamento. Quando a imaginação os uniu, Anna Kariênina começou a nascer. Em janeiro de 1875, a revista Mensageiro russo publicou os primeiros catorze capítulos de Anna Kariênina. Tolstói distribuiu ao longo do livro os temas que o inquietavam, discutidos pelos personagens - a guerra da Sérvia, a administração agrícola, o regime da propriedade da terra, a relação com os trabalhadores, a decadência da nobreza, a educação das crianças, o casamento, a religião, o serviço militar compulsório, as teorias de Spencer, Lasalle, Darwin e Schopenhauer. Estruturado em paralelismos, o livro se articula por meio de contrates - a cidade e o campo; as duas capitais da Rússia (Moscou e São Petersburgo); a alta sociedade e a vida dos mujiques; o intelectual e o homem prático, etc. O tema é descentralizado a cada novo episódio. Os dois principais personagens, Liévin e Anna, só se encontram uma vez, em toda a longa narrativa. Mas nem por isso estão menos ligados, pois a situação de um permanece constantemente referida à situação do outro. Anna viaja a Moscou para tentar salvar o casamento em crise de seu irmão. Consegue ajudá-lo, mas acaba pondo a perder o seu próprio, apaixonando-se por um aristocrático militar por quem larga o marido e o filho pequeno. Liévin, um rico e jovem proprietário de terras rurais, vive às voltas com problemas de conflitos de classe de seus lavradores e questionamentos existenciais profundos. Nesta tradução, Rubens Figueiredo busca preservar ao máximo os traços do original russo. Frases longas foram mantidas em sua integridade, assim como a freqüente repetição das palavras. Além das notas de rodapé, elaboradas pelo tradutor, este volume conta com uma árvore genealógica dos principais núcleos familiares e uma lista completa de personagens, que facilitarão muito a leitura deste grande clássico.
Após ter lido "Lolita", de Vladimir Nabokov, um clássico contemporâneo da Literatura Russa e de tanto ouvir a respeito dessa categoria, de conhecer a escrita refinada soprada dos ventos frios do Leste Europeu, acabou sendo inevitável que Tolstói e sua "Anna Kariênina" que tem dado nome a tantas filhas de amantes literários aparecessem em minha lista. Tenho muita vontade de desfrutar mais uma vez dessas palavras impregnadas de lirismo e de um conhecimento que transcende a passagem do tempo.

Diante de toda a influência da grande mídia, não é difícil imaginar a dificuldade de aceitação familiar, e entre amigos, por que passa um ocidental ao escolher trilhar o caminho de Alá. No caso da protagonista da trama, G. Willow Wilson, pode-se dizer que foi uma tarefa ainda mais árdua e admirável conduzir o processo de conversão ao Islã. Além de se considerar ateia de berço, Willow levava antes uma vida confortável e com todas as regalias que poderia usufruir sendo uma jovem branca, norte-americana e de classe média. Da primeira tatuagem escrita em alfabeto árabe, passando pela oficial declaração de fé que todo muçulmano deve recitar ao levantar e antes de dormir – a chahada – até o primeiro experimento do jejum durante o mês sagrado do Ramadã, no calendário islâmico, a jovem sabia que levaria tempo para aprender a viver sem os suportes sociais da cultura a que estava habituada. A experiência de Willow traz a narrativa de uma inusitada descoberta e concepção da fé, de como a vida religiosa foi absorvida no seu cotidiano e se misturou a um sentimento amoroso – pelo muçulmano Omar, seu guia –, despertado em um território até então hostil e incógnito: o Egito. Despida de preconceitos, e disposta a mergulhar nesse universo que parecia não deixá-la mais escapar, a jovem tem de, cada vez mais, abrir mão dos seus direitos como cidadã norte-americana para viver dentro das convenções do Egito. Estereótipos são desfeitos a partir do momento em que surgem exceções; e reafirmam-se logo depois: apesar de Willow compreender Omar e sua família como exceções e manter um bom relacionamento, ela sentia um desconforto toda vez que presenciava situações constrangedoras e conflitantes entre seus novos amigos e familiares muçulmanos e seus amigos ocidentais. Era comum ver seus conterrâneos se comportarem de forma preconceituosa naquele país, mas isso não tornava fácil assumir uma posição. Em cada caso, sendo metade norte-americana e metade muçulmana, também metade de sua própria essência era colocada em jogo e seu maior medo e desafio era ser forçada a optar por uma vida e abandonar completamente a outra. Conhecido como a 2ª maior religião do mundo – e em permanente crescimento –, o islã alcança cerca de 1,3 bilhão de adeptos em três continentes, sendo a maioria proveniente de povos não-árabes. Entre diversos livros e artigos já publicados ao longo dos anos, sobre a conturbada relação entre o mundo muçulmano e o Ocidente – principalmente após os atentados às Torres Gêmeas no fatídico 11 de setembro de 2011, em Nova York –, o termo “choque de civilizações” se solidificou e sustenta a imagem de que os muçulmanos constituem uma ameaça latente ao mundo ocidental: “No Oriente Médio, há sempre algo prestes a acontecer.” Passando dos Estados Unidos ao Egito e Irã, e retornando ao país de origem, este livro permite uma curiosa viagem à cultura islâmica, a partir dos olhos de quem conheceu e abraçou sua filosofia de vida e seus costumes de perto. No seio da família egípcia, é possível ver a beleza do país, e nele surge a esperança de superação e conciliação das barreiras culturais.
Já tinha demonstrado interesse nesse livro anteriormente, mas acabei lembrando-me dele enquanto procurava pela minha página do Skoob e achei-o até propício se pensarmos na importância que o dia de amanhã representa na história contemporânea mundial. São 10 anos do 11 de setembro, de horror e de muita tristeza aos americanos e muitos outros povos que morreram e tiveram entes queridos levados pelas chamas dos aviões de terroristas que destruíram as Torres Gêmeas. Em contrapartida, o outro lado, os muçulmanos que não são xiitas (radicais, de onde surgem os terroristas), grande maioria da população que leva o Islã, Alá para a vida como um cristão comemora o Natal de Jesus Cristo, acabou sendo descriminado, visto com medo por povos ignorantes a respeito de uma religião que é, acima de tudo, um conjunto de crenças isoladas, que tem seguidores cheios de amor, de fé e não apenas radicais, terroristas como muitas pessoas tendem a crer. É um livro para quem é livre de preconceitos e um conhecimento a  mais sobre o islamismo para compreendê-lo.


O Azul da Virgem é o aclamado livro de estréia de Tracy Chevalier, que posteriormente publicou o sucesso internacional Moça com Brinco de Pérola. Ao narrar a história de duas mulheres que viveram a séculos de distância e a herança ancestral que as une, Chevalier, assim como em seu livro mais famoso, combina história, arte e imaginação de forma única. Naquele dia, os cabelos de Isabelle mudaram de cor com a mesma rapidez que um pássaro troca a plumagem para atrair a companheira. Após receber uma estátua da Virgem, o nicho sobre a porta da Igreja em que será colocada a imagem é pintado de um azul tão intenso quanto o céu da tarde. Os raios solares iluminam o azul com veemência, tocando os cabelos da jovem Isabelle e tingindo-os de um cobre que permaneceria mesmo depois de o sol ter ido embora. A partir de então, a menina passa a ser conhecida por La Rousse (A Ruiva) e precisa esconder as longas mechas vermelhas sob uma touca – envergonhada por aquele traço que aponta uma inusitada ligação com a Virgem Maria e a faz ser considerada suja, contaminada, uma feiticeira. Quase cinco séculos depois, Ella Turner, uma mulher independente de 28 anos, sai dos Estados Unidos e vai morar na França com o marido Rick. Lá começa a ter aulas de francês, perde o otimismo, tenta engravidar e procura desesperadamente uma solução para não continuar a se sentir uma estranha no novo país. Começa então a ser acometida por pesadelos inexplicáveis, repletos de versos franceses dos quais desconhece a origem, tingidos de um azul vívido, ao mesmo tempo claro e escuro. Ella então recebe uma carta de Jacob Tournier, um parente da Suíça, revelando um pouco sobre os antepassados franceses que haviam imigrado para os Estados Unidos no século XIX. Decidida a aprofundar os conhecimentos sobre a própria família, Ella passa a pesquisar livros e documentos antigos. Com a ajuda do bibliotecário Jean-Paul, fará muitas descobertas: ela pertence à família dos Tournier dos tempos de Calvino, e as frases que ouve em seus sonhos são do texto bíblico que os seus antepassados huguenotes costumavam recitar quando algo ruim acontecia. À medida que o passado vai sendo revelado, o cabelo de Ella vai ficando ruivo como o de Isabelle. Quais as ligações entre essas duas mulheres? O que esses sonhos significam? Ella parte então em busca de respostas e resolve conhecer mais sobre a própria família... quem sabe assim desvendando os mistérios por trás de seus pesadelos tingidos com O Azul da Virgem.
Uma história delicada e intrigante ao mesmo tempo. Lembra-me um pouco a questão que rege outro volume desta edição, Labirinto, e a tal história das mulheres que têm suas vidas ligadas por algum motivo. Também pode ser uma visão interessante sobre o Calvinismo e as origens do Protestantismo. 
 
"Eu simplesmente adorei O segredo do Vale da Lua". - J. K. Rowling, autora de Harry Potter.

Ao ler O Segredo do Vale da Lua, fica fácil perceber por que J. K. Rowling disse essas palavras sobre esta obra da escritora inglesa Elizabeth Goudge, sucesso mundial há mais de meio século. O livro conta a empolgante história da órfã Maria Merryweather, que se vê obrigada a ir ao Vale de Monacre, onde passará a morar no solar de um velho parente. Sobre aquele lugar paira a sombra da memória da Princesa da Lua e do misterioso cavalinho branco. Ao tentar decifrar sua história, Maria se vê envolvida numa intrincada rixa de família. E ela resolve devolver a paz e a alegria a todo o maravilhoso vale. Por este clássico da literatura juvenil inglesa, sua autora recebeu em 1946 a Carnegie Medal, até hoje um dos prêmios mais importantes conferidos a livros infanto-juvenis. Agora em 2009, o livro foi adaptado para o cinema. O filme é dirigido por Gabor Csupo, vencedor de dois prêmios Emmy por seus trabalhos como Supervisor de Animação na série de televisão "Os Simpsons", e tem previsão de chegar ao Brasil em julho.
Vejo aqui um livro juvenil, inocente, daqueles que trazem muita fantasia e cores ao leitor. Não espero uma história grandiosa, mas algo simples, que me faça sorrir e nutrir uma certa ternura pelo que ele nos apresenta. Os leitores provavelmente adorarão o comentário de J.K. Rowling.
Gostou de algum dos livros? Já leu e indica? Deixe seu comentário!

Um bom sábado a todos,

24 comentários:

Luciana Pink disse...

oi Ana

os livros parecem bem legais,espero que consiga ler todos

bjs

estilorosa.blogspot.com

Aione Simões disse...

Oi Ana!

Eu também quero ler "Os 13 porquês" (também li a resenha da Luana), "A caminho do verão" e "Anna Kareninna"! "O Segredo do Vale da Lua" eu não conhecia, mas adorei a capa, a sinopse e, principalmente, o comentário da JK! As vezes tudo o que procuramos é uma leitura leve e agradável, não é?

Beijos e bom fim de semana!

Loucos Por Livros! disse...

De todos os lviros que foram ditos, eu quero o da Sarah Dessen, "O Segredo do Vale da Lua" e "Os 13 porquês", que me fez ficar curiosa o motivo da morte de Hanna. A minha lista de livros desejados só aumenta a cada dia. HAUHAU
Adorei o post!
Beijos ;*

Ana Carolina
http://loucospor-livros.blogspot.com

Bruno M disse...

Corre e compre Os Treze Porquês, é MUITO bom!
Marcadores são uma grande parte da nossa leitura, SIUSHAIUSA, e tu viu que todos são baratinhos?

Raphaela disse...

Aninha,

os unicos que eu me interessei foram os 13 Porquês, A Caminho do Verão, Labirinto e O Segredo do Vale da Lua. E creio que se a JK falou bem, deve ter alguma coisa muito boa!

Beijokas! :*

Raphela
Equalize da Leitura
@EqualizeLeitura

Ingrid - Cor e Make disse...

Por falar em livro, eu tenho que ler um do curso de finaças, que ja adiei por 2 semanas. Não gosto muito de ler livros comuns. A bíblia me fascina. Minha mãe ama ler!


>> www.cor-e-make.blogspot.com <<

Luana Farias disse...

Bah os 13 porques eu acho bem interessante mas os outros livros não conhecia.

Bjs

Patricia Ferreira disse...

Oiii Ana !

Eu vi esses dias uma resenha do livro 'Os 13 porquês' e gostei muito, também quero ler!
'A caminho do verão' parece muito interessante também neeh?!
Achei bonita a capa do livro ' O azul da virgem'. =D

Beijos, Patty
Cartas para Ficção

Naty disse...

Heey Ana!

Adoreei! Eu já li Os 13 Porquês e é ótimo, muitoo boom *o*

O livro A Caminho do Verá tem uma capa linda ;D

Bj;*
Naty - Just Books !

Marina Oliveira disse...

Conheci Labirinto outro dia pela blogosfera. Ainda não tinha parado para ler sua sinopse e quando a li, fiquei super interessada. Parece fascinante *-*
Beeeijos

Marina Oliveira
http://distribuindosonhos.blogspot.com

Nana disse...

Oie Ana!
Ótimos desejos HAHAHA, os 13 Porquês parece ser bem interessante!
Adorei a capa de O Labirinto e A Caminho do Verão.

Hum filmes com linguagem em espanhol que já assistir foram: REC 1, REC 2, O Labirinto do Fauno e O Orfanato...quase tudo na temática [coisa estranha, que dá medo kkk]

beijos e bom domingo
Nana - Obsession Valley.

Camilla Costa disse...

Ana acredite você NAO vai se arrepender de ler Labririnto e principalmente Anna Karienina; os dois sao livros simplesmente INCRIVEIS *-*

Carol Espilotro, disse...

Tá esperando o que para ler "Os 13 Porquês"? Li esse livro a tanto tempo, agora deu vontade de ler de novo :3 Leia-o logo! Esse Labirinto chamou minha atenção, será que é bom?

Beijos, World of Carol Espilotro

£ädÿ disse...

cara, desses eu só conheço O Labirinto e nunca tive coragem de ler pq um primo meu leu e disse que era um saco HAHAHA. mas são boas dicas :D

ka macedo disse...

Ownn! Fico muito feliz em saber que minha resenha te agradou tanto assim e que te incentivou a ler o livro.
Pode ter certeza que vale a pena; é muito fofo, bem romantico e super profundo.
Espero poder ler uma resenha dele aqui logo que você terminar de lê-lo :D

Beijoos
Minha Bagunça.

Luana Feres disse...

Sinopses enormes mesmo, Ana! Confesso que não li de todas, só as que me interessei pelo nome e capa, como O azul da virgem que apesar de não ter uma tematica que eu esteja acostumada, parece interessante e o Caminho do verão, que parece ser bem divertido e doce!

Sempre que leio uma sinopse e me interesso, acabo perdendo o nome, por não anotar. Falha minha. Vou passar a anotar para comprar no fim do mes e fazer uma wishlist decente!

E fico super feliz que tenha gostado da resenha e do livro. Quando ler, me avise, diga o que achou. :)

Beijos
Mulher gosta de falar

Bruna Tenório disse...

Minhas prateleiras ficaram prontas e agora tenho espaço para muuitos livros, tô igual pinto no lixo kkkkkkkkk. Tô aqui no blog anotando todos os livros legais que vocês indicam para começar a comprar, haha ♥

Entre Fatos & Livros disse...

OI meninas!

Dos livros citados, A caminho do verão chamou minha atenção. Gostei da sinopse e da comparação com "Soul Love" que eu ainda não li, mas sou doida para ler. Conheço várias críticas positivas. Fico curiosa.

BjoO
Pri
Entre Fatos e Livros

Livros e Tsurus disse...

Sempre acho um livro da minha lista aqui nos seus desejados... E sempre a aumento com algum livro que não conhecia... ;)

Já tem um tempo que quero ler Os 13 porquês, a sinopse é ótimo e fiquei super curiosa pra saber o conteúdo dessas k7s, mas ainda não tiver oportunidade$$

Eu já falei de A Caminho do Verão lá no blog, quero muito ler!

Não conhecia Labirinto, adoro o gênero, foi pra lista \o/

Que linda a capa de A leitora do Alcorão, não conhecia, parece ser o tipo de livro que gosto, quero ler!!

Fiquei encantada com a sinopse de O Segredo do Vale da Lua, minha lista tá só aumentando... Kkk

Adorei suas indicações, como sempre ;)

Beijos
http://www.livrosetsurus.blogspot.com

Mariana Ribeiro disse...

Olá, Ana!!
De todos os livros citados, fiquei bem curiosa para conferir de perto a história de A Caminho do verão, Labirinto e O segredo do vale da lua. As sinopses chamaram muito a minha atenção e espero ter a oportunidade de ler todos eles algum dia.
Bjos.

Mariana Ribeiro
Confissões Literárias.

Lucas Martins disse...

Eu não conhecia "Os 13 porquês", parece bom. Eu quero muito muito muito Labirinto, Anna Karênina, e O Azul da Virgem, da Tracy Chevalier (que ainda tenho de comprar A moça do brinco de pérola).
Enfim, muitos desejos e pouco dinheiro, então vou comprando aos poucos, rsrsrs.
Bj :)

Fernanda - Trilhas Culturais disse...

Oie...Adorooo luas, estrelas...por isso me interessei muito por O Segredo do Vale da Lua. Bjuss

Luana disse...

Oie Aninha.

Pelo que li você tem bom gosto! Os livros são bem interessantes mesmo! :D

De todos o que mais me interessou foi o segredo do vale da Lua :)



Bjsssssssss ! :*


garotanivel2.blogspot.com

Aline Gasparini disse...

Ah, nem me fale em desejos 'Haha. Já faz um tempo que estou louca para ler Os 13 Porquês, já vi ótimas criticas sobre esse livro. A caminho do verão é completamente lindo, quando o vi na livraria fiquei apaixonada, mas me contive e não comprei =/ E não conhecia O segredo do vale da lua, porém adorei a sinopse, parece ser bem interessante.

Beijos&beijos
Book is life