22 setembro 2011

A Jornada por Erin E. Moulton

Título: A Jornada
Título original: Flutter
Autora: Erin E. Moulton
Tradução de: Mariângela Vidal Sampaio Fernandes
Editora: Novo Conceito* (parceira-cortesia)
Número de páginas: 200
ISBN: 978-85-63219-53-4
Gênero: Ficção; Literatura norte-americana

Assim que a mãe dá à luz a sua quarta menina, as irmãs Rittle enfrentam uma aventura cheia de mistérios, incertezas e riscos - uma Senhora misteriosa, uma floresta cheia de segredos, bandidos e um rio pronto a levá-las ao desconhecido. Mas o amor entre as meninas é mais forte do que qualquer susto e, juntas, elas descobrem o valor da esperança, da amizade e que milagres existem, sim, e estão mais perto do que imaginamos.


"Então, vejo um lindo par de asas pousado no interior da canoa. Danaus plexippus. É só uma borboleta monarca tentando se esconder da tempestada. Não faço ideia do porquê de essa borboleta estar me perseguindo, mas ela está sempre em volta."
p. 77

Buscamos muitas vezes enriquecer as coisas em detalhes. Queremos livros prolongados, com muitas palavras, versos bonitos, melífluos e acabamos por esquecer do quão valorosa é a simplicidade. Em "A Jornada", inocência e exaltação dos sentimentos mais puros e singelos são apresentados ao leitor na essência da narração de uma menina, uma criança com ares de heroína.

Ao iniciar a leitura, o leitor certamente não espera por se deparar com tamanha candura e até mesmo um ritmo todo característico dos nove anos de Maple, protagonista que carrega consigo uma história muito acerca do amor familiar, de crenças e descrenças, milagres, companheirismo e sonhos.

Logo nas primeiras páginas, a irmã mais nova das Riddle (Maple, Dawn e Beetle), Lilly,  nasce prematuramente e é diagnosticada com um coração fraco, que talvez não resista sequer aos primeiros dias de vida, deixando todos arrasados, desolados, como se nada pudesse ser igual a partir do momento em que estivessem suscetíveis a tal perda. É daí que a pequena Maple, descrente e resolvida a garantir o direito da vida à sua nova caçula, tem uma ideia astuta de remexer na biblioteca do pai e procurar pela história de uma personagem lendária de sua região, a Mulher Sábia da Montanha, dona de um rio com água milagrosa e curandeira, que apoia a todos que têm como causa o amor.

"Mulher Sábia da Montanha,
Tem piedade de mim.
Conceda-me este milagre,
Pois com alma pura eu vim.
Realiza o meu desejo,
Eu te peço com fervor.
Realiza o meu desejo,
Que é feito por amor."
p. 27/28

Iniciada a jornada em busca da água milagrosa das montanhas, percorrendo rios, corredeiras e florestas, Maple e sua irmã mais velha, Dawn, mostram sinceramente a importância da família. Entre momentos de briga, tristeza, dor, alegria, paz e angústia, elas caminham juntas e apoiam-se incondicionalmente, o que nos conduz a uma mensagem meiga ao longo de toda a narrativa.

Entre as personagens, impossível não apreciar a protagonista. É emocionante, é lindo ver o quão determinada uma criança de nove anos criada em meio ao carinho da família pode ser. Maple, ainda que narre o livro de forma muito infantil - o que, a propósito, confere a ele certa lealdade aos fatos reais -, é uma garota inteligente, que cresce com livros, com momentos de tranquilidade no lar, uma vida plena e feliz. Uma menina de alma boa, que não se conforma com a injustiça de alguém não poder conhecer a vida e luta cada novo passo em meio às matas fechadas pela frágil irmãzinha. Dawn é, de acordo com a visão da irmã, a típica filha mais velha. A que gosta de impor, a responsável, "mandona" e que nos momentos de angústia demonstra quanto apreço tem pela caçula, o quanto é capaz de sofrer para poupar dela qualquer sofrimento.

"Nunca me senti tão mal assim; estou tão cansada que mal posso me mexer, mas corro como nunca antes. Vou cortando através das árvores. Simplesmente ignorando as dores do corpo e os ruídos da noite. Ignoro tudo, exceto esse sentimento dentro de mim. Vou conseguir ajuda para a Dawn."
p. 179

Assemelhando-se em alguns momentos a histórias como "O Pequeno Príncipe", os valores de "A Jornada" vão muito além das simples palavras e da temática sem muitas complicações, sublime. Em uma sociedade que pouco se importa com amor, com auxílio, altruísmo, um conto familiar é sempre uma mensagem intrínseca ao que há de mais puro dentro de nós, por esse sentimento pelo qual fazemos coisas inexplicáveis, pelo qual passamos a crer em milagres. Eu poderia dizer que "A Jornada" é um livro infanto-juvenil por sua simplicidade e por sua história, mas seria um pecado privar os adultos de uma obra tão cheia de graça e de paixão, humanidade.

Destaque também para a diagramação maravilhosa, com borboletas ao início de todos os capítulos e uma página antes do início deles com várias delas, muito bem feito. No verso da capa, no interior do livro, há imagens no mesmo padrão, só que em tons de laranja semelhantes ao da imagem da borboleta monarca na capa que o deixam ainda mais gracioso, mágico.

Despretensioso, delicado, encantado. Sem paixões dolorosas, sem tristezas insuportáveis, sem romances proibidos, sem famílias problemáticas... São quatro irmãs, seus pais e uma avó que juntos e, apenas juntos, são maiores que todos os problemas do mundo. São união, companheirismo e amor nas palavras de uma menina de nove anos numa jornada de vida.

"A jornada nos levou a densas florestas, onde não havia um caminho a seguir, mas que depois se transformavam em campos abertos com nenhuma outra pegada além das nossas."
p. 95

Avaliação Geral:
Nota 4 de 5 (Muito Bom)

Uma boa quinta-feira a todos,

19 comentários:

Planet Pink disse...

Vc me fez ficar com mais vontade de lê-lo, ainda rs

Parece maravilhoso, simples e encantador

adorei a resenha, como sempre!

Bejinhos e ótima quinta pra ti tb =)

Jonathan Henrique disse...

Muitas vezes a simplicidade de um livro nos ganha bem mais do que com um livro complexo... Eu pensava que A Jornada se tratasse de uma história fantasiosa e tudo mais, mas vejo que vai muito além disso... Que a “mágica” da história não se dá com personagens como fadas e ninfas, e sim nas palavras, na doce visão de uma criança.
É sempre bom ler livros assim, pois mais que entretenimento, estaremos levando algo para a vida!
Achei que a borboleta da capa não foi colocada apenas para enfeite. Para mim ela reflete a protagonista: um ser frágil e pequenino mas de grande beleza e sabedoria.

Beijos!
@Jonathan_HGF

Naty disse...

Legal, eu confesso que não tenho muito interesse nesse livro, mas a sua resenha me conquistou, talvez eu dê uma chance á ele.

Bjoos;*
Naty - Just Books !

NINA ☂ disse...

A resenha tá perfeita, quero ler o livro, amo seu blog, e tem um presentinho super especial

http://ninabarroso.blogspot.com/2011/09/esse-blog-passa-uma-otima-ideia.html

NINA ☂ disse...

A resenha tá perfeita, quero ler o livro, amo seu blog, e tem um presentinho super especial

http://ninabarroso.blogspot.com/2011/09/esse-blog-passa-uma-otima-ideia.html

NINA ☂ disse...

A resenha tá perfeita, quero ler o livro, amo seu blog, e tem um presentinho super especial

http://ninabarroso.blogspot.com/2011/09/esse-blog-passa-uma-otima-ideia.html

Alinne disse...

Esse livro parece ser maravilhoso, desde a primeira vez que vi já me encantei pela capa e pela sinopse e principalmente por parecer ser simples e encantador.A sua resenha está muito boa e me deixou mais ainda curiosa para conhecer esta obra. =)
Beijinhos.

Books e Desenhos

Eduarda Menezes disse...

Oi Ana, Não conhecia esse livro mas parece conter em sua simplicidade um significado muito mais profundo do que poderia atingir se feito de outra forma!
Gostei do fato da linguagem da protagonista coincidir com a idade que ela possui pois o que mais tem por aí são livros com narradores crianças que mais parecem adultos!
A mensagem presente em suas páginas parece ser linda é adoro histórias nesse estilo, que não exige muito do leitor justamente pelo fato de não ser complicado mas que mesmo assim consegue mirar em um propósito firme e uma lição eficaz!

Ótima resenha (pra variar) ^^
Beijos!

Rapha disse...

Anaaaaaaaaaaa, isto aqui>> Despretensioso, delicado, encantado. Sem paixões dolorosas, sem tristezas insuportáveis, sem romances proibidos, sem famílias problemáticas... São quatro irmãs, seus pais e uma avó que juntos e, apenas juntos, são maiores que todos os problemas do mundo. São união, companheirismo e amor nas palavras de uma menina de nove anos numa jornada de vida.

Deveria sair na contra capa do livro, porque só de eu ler isto sairia correndo para comprar - se eu nao tivesse, rs

Flor, recebi o livro ontem, e me apaixoneeeeeei pela capa e diagramação, a NC fez com TANTO carinho que parece que dá pra gente ver, né?

To loouca pra ler!

Beijocas
Rapha - Doce Encanto

Livros e Tsurus disse...

Primeira resenha que eu leio desse livro.

Eu achei essa capa tão linda, amo borboletas! =)

Gosto de livros assim, simples mas com uma bela mensagem... quero ler!

Beijos

http://livrosetsurus.blogspot.com

Camila Costa disse...

eu tenho certeza que iria adorar ese livro! Ele parece ser são sensivel, tão delicado! primeira resenha que vejo dele e me apaixonei; só n gostei muito da capa, mas enfim né kk
beeeeijos Ana

Vanessa disse...

Aaaaai suspirei aqui, é a primeira resenha que leio deste livro e sei que em breve estarei recebendo o meu...ainda não havia lido nada sobre ele, mas depois desta sua resenha linda fiquei com muita vontade de ter ele nas mãos...

Balaio de Livros.

Victor disse...

O livro não tinha me chamado a atenção quando lançou. Pela sua resenha, vejo que é um romance dramático de alto nível e, mesmo não tendo me enchido os olhos, vale a pena. Mas, como ando cheio de livros e sem muito tempo - e, por mais que sua resenha tenha me chamado mais atenção para a obra, ela ainda não estaria nos TOP das minhas futuras leituras - vou deixar bem pra depois, possivelmente para as férias, quando já pretendo ler vários outros livros - se passar no vestibular, vou pedir estantes e mais estantes para meus pais rs eles que me aguardem haha.
Ah, e estou curioso para saber qual é a da borboleta rs
Ótima resenha, como sempre.

Beijos,

Victor

Aione Simões disse...

Oi Ana!
Se antes eu achava que queria ler o livro, agora tenho certeza!
Fui conquistada pelo encanto que o livro parece transmitir através de sua mensagem simples!
Sua resenha foi maravilhosa, como sempre!
Beijos!

Nanda disse...

Ei Ana,

Adorei a resenha, ainda bem que o meu já está aqui só falta ler rs.
Achei o kit lindo demais dele ^^
bjos

Cíntia Mara disse...

Essa capa é linda, mas o livro não me chamou muito a atenção. Acho que foi por causa dessa atmosfera mística que ele parece ter. E são tantos livros na fila que ultimamente eu tenho ficado feliz quando não me interesso por algum.

Beijos

Julia G disse...

Nossa, já tinha visto o livro mas nunca parei para prestar atenção quanto ao que abordava. A capa, apesar de linda, nunca chamou tanto minha atenção, mas a história parece rica, principalmente dentre tanta simplicidade.
Adorei a resenha, e espero de verdade poder ler o livro.

Beijos

Lu Tazinazzo disse...

Quero muito ler esse livro, achei a sinopse linda e o tema muito intrigante.

Adorei sua resenha, me convenceu a colocar esse livro na minha lista de leitura!

Beijos
Lu Tazinazzo
http://aceitaumleite.blogspot.com

Teorias de Gi disse...

Talvez eu esteja precisando de uma leitura assim "cheia de graça e de paixão, humanidade." ultimamente ando lendo muita coisa sobrenatural como Fallen, Beijada por um anjo, Para Sempre e percebi q abandonei estas leituras simples e humana.