01 setembro 2011

A vida em tons de cinza por Ruta Sepetys


Título: A vida em tons de cinza
Título original: Between the sades of gray
Autora: Ruta Sepetys
Tradução: Fernanda Abreu
Editora: Arqueiro* (parceira-cortesia)
Número de páginas: 240
ISBN: 978-85-8041-016-7
Gênero: Ficção americana; drama; história soviética
Lina Vilkas é uma lituana de 15 anos cheia de sonhos. Dotada de um incrível talento artístico, ela se prepara para estudar artes na capital. No entanto, a noite de 14 de junho de 1941 muda para sempre seus planos.
Por toda a região do Báltico, a polícia secreta soviética está invadindo casas e deportando pessoas. Junto com a mãe e o irmão de 10 anos, Lina é jogada num trem, em condições desumanas, e levada para um gulag, na Sibéria.
Lá, os deportados sofrem maus-tratos e trabalham arduamente para garantir uma ração ínfima de pão. Nada mais lhes resta, exceto o apoio mútuo e a esperança. E é isso que faz com que Lina insista em sua arte, usando seus desenhos para enviar mensagens codificadas ao pai, preso pelos soviéticos.
A vida em tons de cinza conta a história de um povo que perdeu tudo, menos a dignidade, a esperança e o amor. Para construir os personagens de seu romance, Ruta Sepetys foi à Lituânia a fim de ouvir o relato de sobreviventes dos gulags. Este livro descreve uma parte da história muitas vezes esquecida: o extermínio de um terço dos povos do Báltico durante o reinado de horror de Stalin.
Para Estônia, Letônia e Lituânia, essa foi uma guerra feita de crenças. Esses três pequenos países nos ensinaram que a arma mais poderosa que existe é o amor, seja por um amigo, por uma nação, por Deus ou até mesmo pelo inimigo. Somente o amor é capaz de revelar a natureza realmente milagrosa do espírito humano.

"Cinzas", de Edvard Munch
"Tristeza, pranto e ruína. Eu também via isso em Cinzas. Achava a obra genial".
p. 207

Repressão. Para compreender de maneira mais eficaz "A vida em tons de cinza", é necessário saber do poder do qual um regime político é capaz de usufruir.

O livro é narrado em 1ª pessoa por Lina Vilkas, uma jovem lituana de 15 anos que sofreu as consequências da Revolução Russa e do governo de horror do soviético comunista mais abominado de todos os tempos, Josef Stalin. Este, com as rédeas do controle de um país enorme como a antiga URSS (União Soviética), passou a invadir e a anexar os territórios vizinhos ao da potência socialista, deportando deles grupos de intelectuais que se opunham ou simplesmente eram indiferentes ao sistema político vigente. Professores, cientistas, médicos, jornalistas, escritores, músicos, historiadores, bibliotecários e estudiosos que pertenciam às classes mais abastadas eram levados em vagões de ladrões e prostitutas num tratamento desumano rumo à Sibéria, onde trabalhariam por décadas para os soldados russos em troca de míseras rações de pão diárias. A grande maioria, além de perder todo o seu patrimônio pessoal e cultural para o poder soviético, não suportava o frio rigoroso do extremo ártico e morria tremendo, doente, faminta. Gulags eram o nome dos campos de trabalho escravo administrados pela NKVD, que ficou mais tarde conhecida como KGB, o serviço secreto soviético.

 Entre as nações das vítimas de expurgo, conhecemos profundamente a histórias de três pequenos países, os Bálticos: Estônia, Letônia e Lituânia que, em meio à sua miudeza situada nas fronteiras da Rússia, dão-nos uma prévia de seu sofrimento e do horror de ter mais de 1/3 da população morta mas, ainda assim, perseverar em nome do amor quando resiste "A vida em tons de cinza".

Logo ao início do livro, Lina, seu irmão Jonas e sua mãe, Helena, são forçados a deixar o lar na Lituânia por soldados russos que tinham seus nomes gravados em uma lista. Sem saber para onde estavam indo, com o pai, professor universitário, desaparecidos, e fuzis sendo apontados para suas cabeças a todo o tempo, ficam apavorados e receosos do que estaria por vir.

As deportações começaram a 14 de junho de 1941 (data verídica) e, conduzidos pela violência e um futuro incerto, vão parar em vagões imundos, lotados de mulheres, jovens, crianças e idosos que não custam a adoecer logo nos primeiros dias de viagem. Diferentemente dos padrões de vida nos quais costumavam viver, para garantir a própria sobrevivência, comiam rações e sopas cinzentas em precariedade e quantidades mínimas. Centenas de pessoas unidas em espaços mínimos que aguardavam por notícias de fora, mulheres que depositavam todas as suas esperanças nos maridos intelectuais perdidos por trens e prisões, filhos que choravam e um caos, um verdadeiro caos.

"Vocês algum dia já pensaram enquanto vale a vida de uma pessoa? Naquela manhã, a vida do meu irmão custou um relógio de bolso."
p. 27

Em meio à desilusão e à ardente esperança de rever o pai, Lina e sua família conhecem Andrius, um jovem de idade próxima, e a mãe, a srª. Arvydas, pessoas que, como as outras, sofriam dos mesmos males e por essa desgraça, uniram-se num verdadeiro laço de amizade e amor.

A história segue e retrata a chegada dos povos bálticos à Sibéria, o trabalho escravo e o mar de desilusões que os congela. A obra de Ruta Sepetys é paradoxal. Nas mesmas páginas somos capazes de encontrar os seres humanos mais vis e também os mais puros, capazes de grandes sacrifícios para auxiliarem uns aos outros. O extremo ódio e o amor caminham lado a lado, compondo uma história melancólica, uma ficção que pode facilmente ter sido realidade.

"Mamãe empurrou depressa a sujeira, como se aquilo não a tivesse incomodado nem um pouco. Mas incomodou a mim. Tive vontade de acumular na boca todo o ódio que sentia e cuspi-lo na cara dele".
p. 107

O livro oscila entre alguns momentos do passado da família Vilkas que remetem à nova realidade e até ajudam a compreendê-la. O ceticismo de Lina e a notável antipatia a Stalin desde muito jovem fazem dela uma protagonista forte, que resiste e batalha, ainda que silenciosamente, por uma causa. Há, inclusive, um fato imprescindível à história sobre a personagem: a arte, o dom de desenhar. Através de seus rabiscos, ilustra a horrenda realidade em que foi forçada a viver e os esconde, guardando para que alguém no futuro os veja e, ao início, principalmente para tentar comunicar-se com seu pai, que reconheceria o traço da filha sob qualquer circunstância numa época em que tudo era censurado.

"O Grito" de Edvard Munch
Mesmo o título do livro possui grande ligação com a arte, e o sofrimento pelo qual passam remete muitas vezes à obra do famoso pintor Munch, inspiração de Lina, aquele do quadro conhecidíssimo, "O Grito", que transmite a agonia numa imagem distorcida, perturbadora.

Entre as outras personagens, destaque para Jonas, o pequeno grande menino que tão cedo teve de virar homem. Helena, a figura da mulher incondicionalmente mãe. Andrius, sua dedicação extrema, velada, seu amor puro e a obstinação em proteger Lina. Nikolai, a personalidade ambígua. O próprio "careca", que é a personificação do pessimismo e do medo que levaram um número absurdo de deportados a se suicidar.

"[...]o mal irá governar o mundo até o dia em que os homens e mulheres bons decidirem agir".

Trata-se aqui de um livro especial, triste, que nos reapresenta muito bem à ideologia há muito publicada e consagrada por George Orwell em "A Revolução dos Bichos", uma fábula satirizando a Revolução Russa, Stalin e Trotski, que dizia: "Todos os bichos são iguais, mas alguns bichos são mais iguais que outros".

Uns acreditaram que Hitler, ao invadir a União Soviética, libertaria-os de vez. Outros aguardaram pelos Estados Unidos da América em vez da vida condenada na Sibéria. Hitler veio, mas trouxe consigo algo pior ou tão ruim quanto, o nazismo. Os EUA apoiaram a URSS contra a Alemanha, contudo, logo tornaram-se os seus maiores inimigos.

Um retrato do comunismo distópico numa Lituânia desconhecida mas, acima de tudo, uma forte resistência da esperança.

"Olhe para mim - sussurrou Andrius, chegando mais perto. - Vou encontrar você - afirmou. - Basta que pense nisso. Pense em mim levando de volta seus desenhos. Imagine isso, porque estarei lá."
p. 174

Avaliação Geral:
Nota 5 de 5 (Ótimo)

Opinem, discutam, comentem!

Uma boa quinta a todos,





P.s.: Perdoem-me a aula de História, mas é uma das minhas outras paixões. Logo que concluí a leitura de "A vida em tons de cinza", fui buscar por mais informações acerca dos Expurgos, gulags e da Revolução Russa, Stalin.
P.s.2: Como Lina é uma artista e tem admiração por Edvard Munch, achei que as obras dele couberam bem à resenha.

17 comentários:

ka macedo disse...

Sou completamente louca para ler esse livro. E faz tempo.
Nunca tinha visto uma resenha, mas, mesmo que fosse negativa eu ainda não desistiria de lê-lo. Mas com todas essas criticas positivas eu fiquei com ainda mais vontade de ler.
Tinha esquecido um pouco dele (já faz um tempo que o marquei), mas agora que ele saiu aqui vou procurar melhor e comprá-lo assim que possivel.
Parabens pela resenha :)

Beijos
Minha Bagunça.

♡ Jane dos Anjos ☆ disse...

Amei o post e o livro deve serr realmente MARAVILHOSO, adoro leitura assim, onde aprendemos e absorvemos algo... parabéns vc se superou... Bjs meninas...♥

Gabriele Santos disse...

ele me lembrou muito o livro a menina que roubava livros.
Acho que deve ser tão encantador quanto.
Adoro livros que retratam a realidade do ser humano, o seu lado mais puro e o mais perverso.
Entrou para minha list , que por sinal está quilométrica.
beijos Ana.

Marta Caregnato disse...

Olá, Ana!
Obrigada pela visita e por sensibilizar-se com a causa dos professores. É sempre bom encontrar pessoas que nos apoiam. Já tinha passado rápido por aqui, mas ainda não tinha agradecido.
Bem, quanto ao livro "A vida em tons de cinza" parece realmente impactante. Gosto de livros assim, que mexem com nossos sentimentos, que nos mostram a verdadeira condição humana. O ser humano é assim, indeterminado, pode ser capaz das maiores atrocidades, como também ser capaz dos maiores gestos de generosidade... Não vou dizer que vou ler, porque, para conseguirmos ler todos os livros que desejamos, teríamos que viver para ler, e somos limitados pelo tempo, nossa vida é muito corrida, temos infinitas obrigações e acabamos não fazendo tudo que queremos... Mas a vida é assim mesmo...
Ah! Aguardando resposta sobre a parceria.
Tenha um ótimo dia! bjs

Beatriz Gosmin disse...

Muito boa a sua resenha!
Gostei, mas acho que este livro não faz muito o meu estilo!

BeijoS!

Bia | Livros e Atitudes

Julia G disse...

Tenho bastante vontade de ler esse livro, mas pela resenha parece não ser uma história tão fácil de ler, já que é marcada por tanta dor e tristeza. Mesmo assim, como você falou, é impossível não conhecer um pouco mais da história que não nos ensinam tão detalhadamente na escola, e esse é um dos aspectos que mais gosto ao ler um livro.

Ah, e eu quase me senti ofendida quando você disse que o meu Dimitri era "o tal Dimitri"! UIhUIAHA

Beijos
Conjunto da Obra

Vanvan disse...

Mas que coisa, uma capa tão linda para um livro com uma história tão sombria e triste....mesmo assim eu quero ler ele, até já solicitei ele para a editora, estou esperando.

Balaio de Livros.

Teorias de Gi disse...

Eu to doida pra ler este livro Ana...Adoro suas resenhas...uma excelente quinta feira a vc também...Beijinhusss...

Patricia Ferreira disse...

Oi,

Eu também amo história! uahuahasuh'
Eu gosto muito de estudar essa época e fico muito empolgada quando vejo livros assim, e ao mesmo tempo fico receosa, pois sempre é muito forte cenas de guerra e etc.
Suas resenhas são as melhores.. !!! =D

Beijoos, Patty
Cartas para Ficção

Alinne disse...

Adoro história e por isso tenho muita vontade de ler este livro!
Parece ser muito bom mesmo principalmente por retratar um pouco sobre a guerra...
Beijos.

Books e Desenhos

Luciana Pink disse...

oi Ana

obrigada pelo comentário fofo!

eu tb adoro história, meu prof de literatura dava uma aula de história sempre antes de cada matéria nova para que pudéssemos compreender melhor o sentido das obras literárias

bjs

estilorosa.blogspot.com

Aione Simões disse...

Não se desculpe pela "aula", tornou a resenha ainda mais rica em conteúdo!
O livro parece ótimo, eu adoro quando há essa ligação entre as artes, sejam elas quais forem!
Mas não sei se, nesse momento, eu leria o livro. A história, como você mesma disse, parece ser triste, densa, mas, principalmente, real.
Estou fugindo um pouco desse tipo de drama, no momento, o que me faz pensar "isso acontece de verdade"!
De qualquer forma, o livro parece ser brilhante!
Beijos!

Camila Costa disse...

Ameeeeeeeeeeeeeeeeeei a resnenha!
Só conhecia o livro de vista e realmente a historia do povo preso pela urss muitas vezes é esquecdida, eclipsada pelos campos de concentração de judeus (que é lago tão horrivel quanto)
tambem sou apaixonada por história; tbm sempre que leio algum livro baseado em fatos reais corropara pesquisar mais dados
Adorei!

danamartins disse...

Isso me fez pensar... imagina a vida ser interrompida assim? Você acorda todos os dias, vai estudar/trabalhar, almoça, sabe que um filme legal vai ter no fds, fica ansiosa pelo livro que tem em casa, espera o show no final do mês e faz planos pro futuro. Daí, um dia, praticamente de repente, nada disso é mais certo. O que você faz durante os dias muda, os seus objetivos mudam totalmente. É interessante. oO
HUAH chega a essa hora a pessoa já começa a viajar. ;x

Acho que se tiver a oportunidade eu leio, mas não costumo gostar de livros desse tipo, com ligação a essa parte da história. O clima é muito ruim pra mim. '-'

Jonathan Henrique disse...

Olá, Ana! Tudo bom?

Olha, não é “puxa-saquismo”, a sua resenha está esplêndida! Um dia eu chego lá!

Quando eu vi que a editora Arqueiro iria lançar esse livro, até que gostei do título e da capa. Mas por algum motivo eu não pesquisei nada a respeito, nem li a sinopse. Ou seja, você é quem está me proporcionando o primeiro contato com “A vida em tons de cinza”.

Ainda que eu só tenha lido dois livros com temáticas sobre guerra e mesmo que estes tenham sido escritos de forma diferente, o assunto já está bem fadigado no mundo literário. Porém, “A vida em tons de cinza” tem suas peculiaridades… Primeiro, é sim sobre uma guerra, precisamente sobre a Revolução Russa (certo?); segundo, a nossa protagonista é artista, isso me atraiu bastante.

Depois de ler sua resenha, Ana, tenho sim, muita, vontade de lê-lo. Um livro que “retrata as cores de um conflito”. Ah! Eu também curto história, um pouco! Quando um escritor usa-a em seu livro, não só é uma maneira de o leitor regressar ao seu passado, conhecendo as pessoas que nele viveram, como também é uma maneira de refletir sobre as ações humanas. Tenho por mim que através do passado premeditamos o futuro!

Beijos!

@Jonathan_HGF

P.s.: Eu curti muitos os quotes selecionados para compor a resenha. Mais um indício de que irei ler esse livro!

Pah disse...

Ana, também sou louca por história, então estou encantada com a forma objetivo de você relatar os dados necessários para o entendimento do contexto do livro. Confesso que faz um tempinho que quero lê-lo, tudo que remete a época dos regimes totalitários me envolve, afinal, foram momentos únicos, em que a dor e o sofrimento são inexplicáveis, por isso, tinha um pouquinho de receio, sei lá, imaginava se a autora saberia relatar os dados de uma forma complexa, e não apenas, superficial.
Agora que li sua resenha entendi que o livro deve ser muito bom mesmo, parece-me que a autora soube explorar os dados, sem se sensacionalismo. Gostei, quero ler!

Beijokas

Pah, Livros & Fuxicos

Luana Farias disse...

Estou com esse livro aqui e quero ler logo, mas acho que ou ler junto com um mais levinho mesmo.

Bjs