25 agosto 2011

Garota, Traduzida por Jean Kwok


Título: Garota, Traduzida
Título original: Girl in Translation
Autora: Jean Kwok
Tradutor: Paulo Afonso
Editora: Suma de Letras
Número de páginas: 239
ISBN: 978-85-60280-914-9
Edição: Rio de Janeiro 2011
Gênero: Ficção americana
    Quando Kimberly Chang e sua mãe, emigrantes de Hong Kong, se estabelecem numa área pobre do Brooklyn, tem início uma árdua dupla jornada para a menina de 11 anos. De dia, ela luta na escola contra o seu quase total desconhecimento de inglês, superando o preconceito do professor e revelando-se uma aluna com muita vontade de aprender. À noite, ao lado da mãe, trabalha duro numa fábrica de tecidos, desafiando a incredulidade de colegas da escola, certos de que “trabalho infantil não existe nos Estados Unidos”.
    Dia após dia, Kimberly lida em silêncio com verdades dolorosas: uma vida de privações, num apartamento imundo, frio, infestado de ratos; um futuro incerto, cujo peso recai mais e mais sobre seus ombros, em função da deterioração da saúde da mãe; o amor secreto por um menino que trabalha na casa de máquinas da fábrica. Imaginação, criatividade e enorme capacidade de amar são suas únicas – mas poderosas – armas para encontrar algum conforto e perspectivas.

“Foi o mais próximo que a mãe esteve de expressar seu arrependimento por ter vindo para os Estados Unidos. Entendi qual seria minha tarefa dali por diante, e pousei a cabeça em seu ombro.
- Vou tirar nós duas daqui, mãe. Eu prometo.”
p. 41

   “Garota, Traduzida”, um título que por uma simples vírgula acaba confundindo o leitor mas que, de certa forma, faz toda a diferença. Kimberly não é uma garota traduzida. Ah-Kim é a garota chinesa, traduzida após a drástica mudança de vida, uma vã esperança de poder, no Continente Novo, ser uma feliz adepta do american way of life. A realidade encontrada pela jovem de 11 anos e sua mãe nos Estados Unidos foi, entretanto, muito distinta, assustadora e, acima de tudo, cruel...

“Eu não tinha meias compridas, mas na véspera do Natal coloquei uma das meias da mãe, maior que as minhas, sobre a mesa onde estudava. Quando acordei, havia uma laranja e um envelope vermelho chinês com dois dólares dentro – uma fortuna. Logo percebi que Papai Noel não existia, existia somente a mãe, e isso era o bastante.”

p. 63

    As condições de vida da protagonista e de sua protetora apavoram. Logo ao início, temos diversas descrições da pobreza, da miséria em que vivem. Um apartamento cheio de baratas e camundongos que surgem no meio da noite e avançam em qualquer alimento que encontrem. Fendas nas paredes nas quais deveriam haver janelas mas, pela falta de dinheiro, puderam apenas colocar sacos de lixo, temendo todos os dias e noites que um ladrão do subúrbio aparecesse e lhes roubassem seus pertences mais valiosos, tão desvalorizados se colocados ao lado de adereços caros.
    A menina que chega a Nova Iorque, a Big Apple aos seus 11 anos, não viu o glamour da cidade mais cosmopolita de todo o mundo. Kimberly viu tudo do mais precário, ansiou por carne em suas refeições, esperou por um casaco que a aquecesse e protegesse do inverno rigoroso num apartamento miserável e sem calefação. Logo criança, falando escassamente o inglês, estudava durante a manhã e trabalhava metade de seu dia ao lado da mãe na fábrica de roupas, num emprego medíocre cedido por Tia Paula, mulher detestável e mesquinha que negou à sobrinha e à irmã qualquer possibilidade de sucesso. Aqui o leitor facilmente sentirá uma revolta tremenda ao notar a situação da família, ao ver o quanto as duas batalham para obter o alimento do dia seguinte, regalia de valor incalculável e o quanto, ainda assim, a mocinha de nossa história – que a propósito não é mocinha, mas uma heroína de muita força – mantém-se firme em seu foco, aspirando a empreitadas brilhantes e a um futuro concreto, cômoda à pessoa mais querida que lhe restou.
    Órfã de pai, extremamente inocente e cheia de saudades - da vida que levava em Hong Kong, da voz e do auxílio de seu patriarca - , Kim é uma das protagonistas mais admiráveis com as quais me deparei neste ano e em todos os livros que fizeram parte de minha vida, senão a mais. Ao contrário das moçoilas que aguardam sentadas e chorosas por melhoras, a chinesa ergue-se de seu abismo e vai caminhando, ainda que lentamente, rumo ao topo. Também contradizendo as famosas garotas de fibra, teimosas e que nada fazem além de se oporem a seus pares românticos, ela é paciente, suporta dores agudas e humilhações em silêncio, não sem esquecê-las ou permitir-se à descrença. O livro, que acompanha seu crescimento, o final de sua infância e toda a sua adolescência, mostra o quanto evolui, o quão determinada pode ser.

“Nasci com um talento. Não para a dança, nem para a comédia, nem para nada tão agradável. Sempre tive talento para o aprendizado escolar.”

p. 5

    Uma aluna excelente, um exímio prodígio e exemplo de dedicação. Horas e horas da madrugada gastas com estudos, com exercícios e trabalhos em uma língua que ela sequer era capaz de falar, ao início. Na escola, sua única amiga e a companheira de todos os anos, Annette, ensinou-a que havia compaixão no homem branco, de pele engraçada, que ficava vermelha ao sol. Kimberly, que não tinha visto tantas madeixas louras na China quanto as via nos Estados Unidos da América, aprendeu com a menina dos olhos claros o verdadeiro significado da amizade, o companheirismo puro, mútuo. Não menos importante, nas horas de sufoco e trabalho sobre-humano na fábrica, conheceu através do menino de olhos castanhos o que era um tal de amor...

“Ele me mostrara seu segredo vergonhoso, e eu o aceitara. Parecia um momento decisivo para nós, uma promessa de confiança e sinceridade, e talvez até de amor.”

p. 157

    Outro fato peculiar no livro, é a forma com a qual a menina contabiliza os gastos, quaisquer gastos imagináveis. Em vez de pensar como nós, em reais ou, em Nova Iorque, dólares, Kim pensa em saias, em quantas saias deverá embalar para comprar o produto desejado. Levando-se em consideração que, a cada peça, ganhava um centavo, chegou a trabalhar arduamente para empacotar setecentas em uma hora e findar todas as dívidas que, infelizmente, ainda tinham com Tia Paula e Tio Bob pela ida à América.

“Falavam com empolgação de lugares como Snowbird, em Utah, e Vallery, na França. Um determinado modelo de jaqueta de esqui, curto e apertado, com um grande colarinho, começou a fazer sucesso. Não demorou, todos os alunos da sala estavam com um deles. Eu soube que custavam no mínimo 20 mil saias, cada um.”

p. 126

    Enquanto, atualmente, em histórias juvenis nos deparamos com adolescentes que têm problemas com seus poderes sobrenaturais ou seus namorados vampiros, anjos, lobisomens, demônios, caçadores de sombras e tudo mais que se possa imaginar, o maior e o mais temeroso problema de Kim é a realidade crua, a vida em seu tom mais duro. O que, facilmente, torna o livro de Jean Kwok, com inspirações subjetivas em sua própria trajetória de emigração de Hong Kong aos EUA, uma leitura imperdível, simples, mas com uma riqueza incalculável.
    A linguagem da obra nada tem de muito rebuscada, segue a padrão pelas palavras da protagonista, que conferem mais realismo a tudo que nos é passado. O tempo passa rapidamente e acompanhamos cerca de 15 anos da vida de Kim ao longo das 239 páginas, que prometem ser rápidas como ventos de ressaca ao transcorrer de toda a história.
    Em “Garota, Traduzida”, o leitor conhecerá alguns costumes distintos dos chineses e da própria religião budista; entenderá aquilo que acontece por detrás das maiores indústrias do planeta, pelas mãos de crianças desprovidas de esperança; sentirá uma vontade tremenda de melhorar, de se superar e ser um dos melhores alunos da sala, piores sejam os tempos pelos quais esteja passando; amará, detestará e, por fim, compreenderá, que quando se deseja algo incontestavelmente, acima de qualquer dificuldade, nenhum obstáculo é maior que a conquista, nenhum limite é capaz de transpor o destino traçado pela obstinação.

Avaliação Geral:
Nota 5 de 5 (Ótimo)
   Uma boa quinta-feira a todos,





22 comentários:

Hérida Ruyz disse...

Oi Ana!
E tbm gostei do livro. Mas por mais que Kin tenha sofrido, não consigo deixar de pensar que ela foi uma privilegiada e que, de certa forma, sua ascensão foi rápida....muito rápida.
Bjs

Kivia Nascentes disse...

Estou loucaaaaaa para ler esse livro. Quando ele apareceu na livraria quase levei ele, mas acabei comprando o Lonely Hearts Club. Mas ainda vou ler, logo logo.

Adorei as resenha. Os trechinhos que você coloca deixa mais bacana ainda. Agora fiquei com mais vontade ainda de ler.

beijos!

Mandinha disse...

Oi Ana! :)

Eu não tenho muita vontade de ler esse livro. Não sei porque, mas ele nunca despertou muito a minha atenção. É um tanto diferente de tudo que eu estou acostumada a ler e eu gosto de ler livros diferentes... mas esse ainda não me deu AQUELA vontade de ler.
Mas eu tenho lido tantas resenhas falando bem dele, como a sua por exemplo, que é bem capaz de eu mudar de ideia daqui um tempo... hehehe.

Beijão.
Amanda
Lendo&Comentando
:)

Carla Wolf disse...

Adorei a resenha,o livro parece ser ótimo,apesar de muito sofrido,eu choraria certeza rs
http://caahwolf.blogspot.com/

Aione Simões disse...

Mais uma ótima resenha!

Primeiro de tudo, adorei entender o porquê do título.
Depois, o livro deve ser incrível: complexo, ao mesmo tempo que simples por ser real.
Apesar de adorar livros leves, gosto de livros reflexivos, que nos trazem pra realidade, é bom pra variar de vez em quando!

Beijos!

Camila Costa disse...

uau! é a primeira resenha que leio desse livro; já vi ele na livraria, mas passei reto sabe?
agora sem duvidas vou olhar pra ele com novos olhos; entrou na lista dos desejos
Resenha espetacular!

Robledo Filho disse...

Exatamente o que eu já havia comentado com você, Ana: eu nunca imaginaria que, por trás dessa capa colorida e aparentemente pueril, se esconde uma história tão forte de sofrimento e superação. Achei a sinopse interessantíssima, e a maneira como você lentamente nos mostrou os detalhes da rotina sofrida da protagonista foi sensacional. Aliás, as próprias observações feitas sobre o caráter da garota foram incríveis: nós estamos realmente acostumados a encontrar moças submissas ou personagens preocupadas unicamente em impressionar aquele cara-misterioso-que-na-verdade-é-um-lobisomem; as heroínas são poucas.
"Garota, traduzida" vai diretamente para a minha wishlist, e mal posso esperar para conhecer mais a fundo a saga sofrida dessa família. Acredito que o livro, em sua simplicidade, traga muito mais aprendizado do que outros sucessos da nossa literatura atual internacional, em sua miscelânea de criaturas sobrenaturais.

=*
Livros, letras e metas

♥ Nessa ♥ disse...

Nossa!! adorei sua resenha!
Esse livro parece mesmo ser d+, to curiosa para ler!!bjinhs
http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com

Nanda disse...

Ei Ana,

Resenha ficou ótima, adorei. O livro está em casa, mas ainda não tive tempo para ler. Acho que vou gostar tbm, já estou imaginando a descrição do apartamento uiiii rs

bjos
Nanda

Luciana Pink disse...

oi Ana

td bem?

pois eh, eu não gosto muito de dramas não,rs

geralmente pergunto o final a alguém antes p depois assistir haha

esse livro parece ser daqueles que vc l~e e a história te acompanha por um bom tempo, ótima resenha

bjs

estilorosa.blogspot.com

Leeh M. disse...

Eu querooo! rsrsrsrs Amei a resenha e amei o 'estilo' do livro.... ahhhh! Amei a dica.

Saudades de tudoo aqui...


Beijooos.


LeehM
PGI

αmαndα cristinα ツ disse...

Quero muito ler este livro! Parece-me ser muito bom... E, preciso dizer que amei tua resenha? rs'
- Vírgulas mudam tudo mesmo, até nossa vida. ;)


Beijinhos, :*
www.primeiro-livro.com

Alinne disse...

Ana que resenha é essa menina? Adorei! Parabéns.
Já havia algum tempo que queria saber mais a respeito deste livro, atráves de uma resenha e foi exatamente como eu esperava, um tipo de livro que nos surpreende pelo drama vivido pelos personagens este me lembrou um livro que li recentemente chamado O Garoto do Convés que é ótimo aliás.Quero ler!
Beijos.
Books E Desenhos

Julia G disse...

Oi Ana. Já ouvi falar muito deste livro, da verdade intrínseca aos personagens e da força de vontade que têm para vencer.
Não tenho muita curiosidade de comprar este livro para ler, mas com certeza leria se o tivesse nas mãos.

Um beijo
Conjunto da Obra

Marina Oliveira disse...

Não tenho muita vontade de ler esse livro não, esse tipo de história não costuma despertar meu interesse e me agradar.
Beeeijos

Marina Oliveira
http://distribuindosonhos.blogspot.com

Pãm disse...

Olá! Já tinha visto este livro nas livrarias, mas este passou despercebido. Tenho que admitir que não tinha curiosidade alguma em lê-lo e agora com sua resenha (muito boa por sinal) tudo mudou.

Beijos
http://jovemleitora.blogspot.com/

Bruna Tenório disse...

Nossa, que resenha fantástica! E o livro me parece incrível também. Sou bem sensível com essas histórias, me fazem refletir bastante.

Nana disse...

Oie Ana
Nossa primeira resenha que leio desse livro, e tinha lido só a sinopse...imaginei uma coisa e nossa outra! HAHA

Li um livro com costumes da China, mas era romance de banca...e tinha os nomes e tals nossa...trauma né?
Mas o nome da personagem ser Kim haha, já diminuiu um pouco!

Adorei a resenha mesmo, e os quotes! Quero mt ler.

bjs
Nana - Obsession Valley

Dyana Colares disse...

Gosto muito de livros que mostram a realidade, com histórias de superação e tal.
Muito boa sua resenha ;D

beijos!
www.desejoliterario.com

Anna Luísa disse...

Nossa! só pela resenha já percebi que o livro deve ser realmente ótimo!

estou seguindo seu blog, AMEI. segue o meu? www.ihaveinmybag.blogspot.com

Anna Luísa disse...

Nossa! só pela resenha já percebi que o livro deve ser realmente ótimo!

estou seguindo seu blog, AMEI. segue o meu? www.ihaveinmybag.blogspot.com

Kel Costa disse...

Esse livro foi uma ótima surpresa pra mim, pq não esperava que fosse me emocionar tanto com ele. Adorei, já até estou com a resenha pronta... Adorei a sua, flor!

Bjs,
Kel
www.itcultura.com