26 julho 2011

O problema do leitor brasileiro

 
O problema do leitor brasileiro 
por Ana Ferreira
      É certo que, entre nós, blogueiros literários, é comum, a essa época da ano, já termos lido cerca de 20, 30, 40, 50 livros cada um desde o último mês de janeiro. Essa média, entretanto, está extremamente longe da realidade do brasileiro em geral. Entre os cerca de 190 milhões de habitantes, 4,7 livros são lidos por ano sendo apenas 1 destes paradidático, sem ligações com os estudos, diretamente falando.
“Os jovens, segundo a pesquisa, são os que mais leem no Brasil. Dos 95,6 milhões de leitores no país, 39% estão na faixa etária de 5 a 17 anos e outros 14% possuem entre 18 e 24 anos. O público entre 11 e 13 anos chega a ler 8,6 livros por ano. O volume entre os leitores de 5 a 10 anos é de 6,9 livros por ano. No mesmo período, os brasileiros de 14 a 17 anos leem em média 6,6. O sexo feminino também se sobressai no estudo. De acordo com os dados divulgados, as mulheres leem mais que os homens - 5,3 contra 4,1 livros por ano.”

Fonte: Universia

“O brasileiro lê, em média 4, 7 livros por ano contra 10 nos EUA ou na França e 15 nos países nórdicos. Dos 4,7 livros lidos pelos brasileiros, apenas 0,9 não são livros didáticos.”
Fonte: Jornal do Estado

    A nossa média, comparada aos países desenvolvidos não é apenas baixa como vergonhosa. O brasileiro opta por outras formas de lazer, uma vez que, o próprio preço dos livros no país é alto pela ausência de leitores frequentes, além de outros fatores como a alta carga tributária (relação entre o que o governo arrecada em impostos e a quantidade de riqueza produzida no país), que é a 2ª maior do ranking mundial.
    O principal problema da escassa leitura no Brasil, entretanto, é a educação, ou a falta de, por assim dizer. Imagine que, do PIB (produto interno bruto, a soma monetária de todos os bens e serviços arrecadada numa região, no país, em nosso caso e com frequência trimestral), uma quantia absurdamente grande pelas riquezas nacionais (que não significam desenvolvimento, porém), apenas 5% seja investido em educação. Agora imagine também que, em uma entrevista ao jornal O Globo no ano da candidatura (2010), a candidata Marina Silva declarou que, desses recursos, também um percentual de 5% era desviado em forma de corrupção e propina. Os mesmos gastos investidos na educação, os gastos que poderiam ser investidos nela.

“O grau educacional da população brasileira é ínfimo perto dos outros países latino-americanos, bem como de outras economias emergentes. Enquanto que a escolaridade média do brasileiro é de 6,9 anos, a dos Argentinos é de 8,8 anos. O ensino médio completo no país atinge apenas 22% da população, contra 55% na Argentina e 82% na Coréia do Sul.”

Fonte: Educação no Brasil, Wikipédia

Um país de contrastes...
    Com o aumento do investimento na educação, muitos problemas poderiam ser resolvidos. A quantidade de pessoas qualificadas para outras classes de empregos - como a categoria tecnológica, que carece de estudiosos e oferece salários significantemente altos – aumentaria e os índices de desemprego, consequentemente, seriam muito menores. A desigualdade social, que é uma das características brasileiras, também poderia ser reduzida com a equivalência do sistema de estudo público e o particular, com o qual os responsáveis gastam grande parcela de seus salários em busca de maior eficiência por parte da escola e do corpo docente, que não sofre dos mesmos problemas que alguns mestres pelas redes públicas e estaduais. Além disso, com melhores índices educacionais, o Brasil já estaria dando um passo rumo ao desenvolvimento para que, em um futuro próximo, deixasse de ser emergente e/ou subdesenvolvido.
    Reflexos das escassas condições educacionais surgem em testes realizados mundialmente...

Os estudantes brasileiros ficaram em 51° lugar no ranking de leitura entre 65 países […] A média em leitura dos alunos dos países ricos que integram a OCDE foi de 493 pontos. O melhor resultado foi dos alunos de Xangai (China), que obtiveram 556 pontos. A pesquisa também incluiu Taiwan, Macau e Hong Kong.”
Fonte: BBC

“A avaliação feita com alunos de 15 anos com questões de literatura, matemática e ciências mostrou que quase metade dos estudantes brasileiros não atinge nível básico de leitura.”
Fonte: Wikipédia

    Educação escassa cria uma população desinformada, com pouco interesse em conhecimentos a mais e um número pouco significativo de graduados em relação aos que nem sequer concluíram ou chegaram a iniciar o Ensino Médio.
    O brasileiro acabou, através dessa deficiência, desinteressando-se pela leitura e os profissionais dos ramos literário e editorial acabam cobrando alto pela quantidade baixa de consumidores.

    Mas o preço dos livros no Brasil ainda é muito alto se comparados aos de alguns países desenvolvidos...
“Acontece que livros vendem pouco no Brasil”, disse Raul Wassermann, presidente da Câmara Brasileira do Livro, responsável pelo funcionamento da Bienal, em entrevista ao portal
Educacional
 
    Alguns dirão sobre o crescimento de usuários no Skoob mas esse, em relação à população que se utiliza da Internet é pouco. A rede social literária conta, atualmente, com cerca de 350000 usuários ativos, que podem ser comparados, por exemplo, à quantidade de registrados brasileiros no Facebook, 16 milhões ao início do último mês de junho. Outros talvez falem das livrarias virtuais (Saraiva, Submarino, Fnac, Siciliano, etc) e dos altos lucros que elas talvez recebam. E não recebem. Acontece que, o percentual de livros nessas lojas virtuais é muito pequeno se comparado à venda de eletrodomésticos e eletroeletrônicos, por exemplo. A própria Saraiva, que tem seu título dado por conta da livraria, vive mais de eletrônicos que de livros. Se as lojas virtuais dependessem apenas deles, os preços seriam provavelmente maiores que os das livrarias físicas, por questões de frete e transporte, por exemplo, e os prejuízos seriam altíssimos. Ainda teremos os corajosos e destemidos que falarão de blogs literários mas, que lástima dizer, somos um número pequeno, muito pequeno, ridículo, quase como um grão de areia em meio a esse imenso litoral brasileiro, afogado em ignorância.
    Ao final de tais informações podemos chegar às conclusões de que, para endividar-se em 10 parcelas de valores absurdamente altos por um aparelho celular de última geração, o brasileiro tem dinheiro e mostra a todos com orgulho a sua compra. Há mais celular que gente no Brasil, fique claro. Enquanto que, para gastar 20 reais, quem sabe 30 num livro, ele poupa todas as suas economias e diz, relutante: “Não gasto meu dinheiro com bobagem”.

Dados rápidos

Onde há mais livrarias no Brasil ...


(livrarias por habitantes)

DF ..... 1 para 30.840
RJ ...... 1 para 44.415
SE ..... 1 para 50.665
SP ..... 1 para 59.171
TO ..... 1 para 181.131

...e no mundo


EUA ..... 1 para 15 mil
Argentina ..... 1 para 50 mil
Brasil ..... 1 para 70 mil
México ..... 1 para 170 mil

Fonte: Jornal do Estado


   No Brasil, há cerca de 2500 livrarias divididas para os 5564 municípios e os 190 milhões de habitantes. Aguardamos o tal do progresso. E que a ordem venha junto dele.

“Existe apenas um bem, o saber, e apenas um mal, a ignorância.”
 
Se você acha que educação é cara, experimente a ignorância.


21 comentários:

Aione Simões disse...

Ana, parabéns pelo post excelente!
Está muito bem escrito, com conteúdo e referenciado!
A situação do Brasil é realmente vergonhosa, fico mais abismada ainda em ver a proporção tão pequena de livros não didáticos. Os livros que as escolas recomendam geralmente encontram uma maior barreira de aceitação, os não didáticos são muito mais fáceis de agradar.
Espero que essa situação mude!
Pelo menos nós bloggeiras ajudamos a aumentar esse rank!

Beijos!

Sthaelle disse...

É triste ler uma noticia como essa, né?
Ainda mais para nós, que somos a minoria e que amamos ler. Mas é a realidade...
òtimo post, excelente!


Beijos
Thata e os Livros ~

Sara disse...

O parágrafo que tem a frase “Não gasto meu dinheiro com bobagem” já foi ouvido por mim!!! A frase do Sócrates deveria ser o lema de todas as escolas!

Tici disse...

Adorei essa postagem sua, realmente o Brasil poderia contribuir mais na educação do próprio país.
Achei interessante o parágrafo que diz que o brasileiro pode gastar um dinheiro absurdo em um celular mas quando é p/ dar 20-30 em um livro...
Eu não gasto meu dinheiro com bobagens mesmo, tanto que meus livros eu compro com o meu próprio dinheiro, já as coisas fúteis eu faço com que meus pais comprem.
Só parei para pensar nisso agora, pois única coisa que eles não pagam para mim são os livros, eles bem que poderiam me fazer um agrado de vez em quando. #triste

Bjs.
Ticia- ObsessionValley

Camila Costa disse...

sinceramente isso me deixa muito triste. A parte sobre os celulares principalmente pq eu vejo acontecer o tempo todo. As pessoas me veem lendo e dizem que estou perdendo meu tempo. Na verdade elas que perdem seu tempo comprando verdadeiras bobagens =/

Francielle Couto disse...

Olá, Ana!

Gostei bastante do seu post. É muito importante estarmos atentos para assuntos como este, pois de certa forma acaba promovendo uma discussão maior em cima desse tema, onde talvez juntos podemos contribuir em algo para que essa situação seja diferente no futuro.

É triste ver a estado do Brasil em relação as livrarias, e também em relação ao rumo que livros físicos estão tomando... ainda existem muitos leitores bons, mas deve haver um incentivo maior para que mais leitores possam realmente fazer parte do universo literário. Eu moro em SE e fico indignada com a falta de diversidade em livrarias por aqui. Muitas vezes eu peço pela internet por falta de opção mesmo, sendo que minha maior vontade era por ir a uma boa livraria, e poder curtir aquele momento, sabe? Às vezes também é por conta do preço... aqui existem duas ótimas livrarias, ambas Escariz, mas pelo fato de só ter essa opção onde realmente posso encontrar muita coisa legal, o preço torna-se salgado. É complicado para ambos os lados, mas a gente vai levando, pois quando um livro é bom e almejado, vale muito a pena comprar, seja lá quanto for.

É por essas e outras que deveriam sim ter um maior incentivo a cerca disso tudo, e mais, haver uma metodologia educacional onde a leitura se torne algo prazeroso, e não algo forçado. Se isso for cultivado desde o início, a coisa realmente pode mudar. E além disso, há uma diversidade de blogs bons onde vemos a participação do pessoal e o interesse dos mesmos, sendo isso algo super positivo. Os blogs a inovam e incentivam, e isso é completamente impagável.

Excelente post!
Um super beijos. :*
Fran.
http://universoliterario.blogspot.com/

Paloma (blog AP) disse...

Nossa, fiquei impressionada com seu texto. Não tanto por causa das informações, já que (por mais triste que eu fique com isso) não é nada que eu não esperasse. Mas pela quantidade de pesquisa que você fez. Parabéns!
Essas estatísticas todas também me deixam arrasadas. É horrível ver quanta ignorância cabe em um país... Muita gente encara livro como bobeira, e isso sem antes nem dar uma chance! Ah, se eles soubessem como é bom...
Beijos

Luciana Pink disse...

Oi Ana

obrigada plea visita e por seguir o blog...seguindo o espaço d vcs tb :)

nem sabia q o rj tinha mais livrarias q sp legal \o/ eu não leio muitos livros justamente pelo que falou no post..o valor não é tão acessível comparando a revistas e jornais :/ c mais pessoas lendo espero que isso mude

bjs

estilorosa.blogspot.com

Rubi disse...

Acredita que eu imaginava o contrário em relação a situação do Brasil? Confesso que não sou de ler qualquer livro, são poucos os que me atraem. Mas acho que todos deveriam fazer da leitura um hábito. O que nos resta é esperar mesmo, para que o tal do progresso aconteça o mais rápido possível.

Enfim, excelente post; é sempre bom manter-se informada sobre alguns assuntos.

Até mais.

Patty Lupicinio disse...

Ah, Ana, sem dúvida esse país ainda precisa muito de incentivo à leitura.
Muitos brasileiros não leem nem um livro sequer no ano.
Uns por não darem importância a essa atividade que deveria ser hábito, e outros por não ter tanta acessibilidade, e não buscarem as bibliotecas.
Ótimo post!

beijinhos,
te espero no http://chilliinfashion.blogspot.com/
http://www.facebook.com/pages/Chilli-in-Fashion/163094077079502
http://twitter.com/chilliinfashion

Kivia Nascentes disse...

É realmente vergonhosa essa proporção aqu no Brasil. Acho que além dos preços, o incentivo nas escolas é muito ruim. Na minha época mesmo, da quinta até a sexta eu não gostava de ler, isso porque os livros que os professores passava eram chatos, e não despertavam o interesse para com leitura meu e dos outros alunos. Na sétima, uma professora nova passou um livro super bacana e dai em diante, foi me interessando mais. Acho nos primeiros anos do colégio os professores poderiam passar livros que despertam mais interesses dos jovens.

No mais, ótimo post! Adorei mesmo!
beijos.

Gláu disse...

Que post informativoo... parabens!!!!
Realmente, leitura no Brasil é uma vergonha...acho q falta incentivo a começar pelas escolas que tem péssimas bibliotecas...

Bjs

Dani disse...

Mais pessoas precisam ler isso. Ótimo post, Ana, sério.

Apesar de a leitura no Brasil não ser valorizada como deveria, na minha opinião as coisas parecem que estão começando a melhorar. Quer dizer, ainda tem aquele povinho que diz detestar ler (NÃO ENTENDO ESSA GENTE), mas o número de leitores está aumentando. Mesmo que pouco, mas aumentando. A geração Harry Potter é um grande exemplo disso: quantas pessoas (eu, por exemplo) não pegaram gosto pela leitura por causa de HP? Até esses Crepúsculos da vida, mesmo não sendo uma leitura "de qualidade", pelo menos são uma leitura.

Quanto ao faturamento de lojas virtuais como o Submarino, eu penso (já que eu não tenho quinhão nenhum de falar disso) que seja por causa da diferença de valor de uma televisão para um livro, por exemplo. Você precisaria vender 100 livros de 30 reais para faturar o que faturaria com uma única TV de 3000 reais.

Enfim.

A real é que o Brasil ainda tá MUITO longe de ser um país ideal quanto a leitura e educação. Mas a gente vai tentando, né? Até porque o jovem que lê hoje é o adulto que lê amanhã. Não só isso, como o adulto que estimulará as crianças a lerem também.

Beijo!

Mayara disse...

Olá Ana, lembra de mim? *-* HUHUEHUE
Sim, estou sumida, mas, como sempre, tentando voltar aos poucos e nem preciso dizer que como sempre, amei sua postagem. Estás sempre trazendo notícias incríveis para nós leitores, de forma simples e entendível.
Eu fico meio triste com a situação do Brasil, pq tem tudo para ser um país com ótima educação. No entanto, parece que o governo não sabe administrar essas coisas. E as pessoas, bom, as pessoas parecem não se interessar ):
Sabe, ler é incrível, mas, poucas pessoas concordam comigo. Muitas gostam de baladas e internet, e acho que agora tem maior facilidade para a leitura para essas pessoas que tem Ipad e tudo mais, pq pelo que vi, fica muito divertido ler e com certeza a desculpa de falta de dinheiro sai totalmente do foco, pq se a pessoa realmente quiser ler, é só baixar ou sei lá... Concordo que muitos gastam dinheiro com coisas bobas x_x Mas, não tem capacidade para gastar dinheiro com livros, que são divertidos e nos fazem pensar *o*
Só acho que seria legal se sei lá, alguém incentivasse, criasse essa vontade de ler nas pessoas. A escola seria ótima para isso, mas, muitas vezes escolhem livros meio estranhos, desmotivando... ah, sei lá, muitas coisas impedem que pessoas leem, vontade, dinheiro... tudo é desculpa, hahaha
Parabéns pela postagem <3

Mayara disse...

*que pessoas leiam... da onde tirei leem?

Rapha disse...

Caramba Ana... amei o post!
Você se expressa muito bem, e escreve magnificamente.

Assino em baixo de tudo o que vc escreveu.
É vergonhoso a "estrutura" da educação no Brasil, estudei em escola pública e sei o que isso e, acredite, hoje em dia está ainda pior.

Espero sinceramente que os governantes comecem a agir ao invés de apenas prometer.

Beeijos
Rapha - Doce Encanto

Universo Literário disse...

Olá!

Perdoe o breve comentário. Passei para lhe avisar que tem um selinho esperando por você lá no blog: http://universoliterario.blogspot.com/

PS.:Já comentei aqui, mas volto a dizer que o post está excelente. Parabéns, Ana!

Um forte abraço!

Patricia Ferreira disse...

Olá, tudo bem ?
Nossa mew Deus, é MUITO vergonhoso isso.... Infelizmente, vendo essa noticia me da até uma revolta... ;S por que eu amo ler e pensar que como pode alguém não reconhecer a beleza da literatura...

Belo post Anna !

Beijoos Patty
Cartas para Ficção

Dreamer Girl disse...

É muito triste a situação. O pior é que noto que a maioria das vezes as pessoas não leem por preguiça ou por preconceito. Outros são como crianças que dizem que não gostam de comer verdura, por exemplo. Mas nunca experimentaram. No dia que lerem um livro realmente bom, se tornarão grandes leitores.

Rhay disse...

Muito bom o Post Ana,
realmente os dados são lastimáveis e até vergonhosos, mas são a realidade. O brasileiro tem preguiça de gastar seu tempo com a leitura. Acha uma coisa fútil que não trará resultados. Como não né? Estamos falando de Educação, educação não é só você frequentar a escola e tudo bem. Educação é leitura, acima de todas as titulações que existem. Uma não depende da outra? Então porque dizem que ler é uma coisa 'atoa'??? Por isso que falamos que a maioria dos brasileiros são ignorantes, pois esse é o pensamento que eles têm.

Teorias de Gi disse...

Realmente triste e por isso por mais q me doa olhar na minha estante e não ver meu livro faorito la, eu empresto pq eu gosto q as pessoas leiam, gosto de ser responsavel por alguem tomar gosto pela leitura, e depois ter alguem pra debater sobre o livro, então sempre dou livros de presente o q tbm me dói pq oho pra ele e quero ficar pra mim, só eu mesma né!