28 julho 2011

Quando Ela Se Foi por Harlan Coben

Título: Quando Ela Se Foi

Título original: Long Lost
Autor: Harlan Coben
Tradutor: Marcelo Mendes
Editora: Arqueiro
Número de páginas: 250
ISBN: 978-85-8041-011-2
Edição: São Paulo 2011
Gênero: Ficção policial americana
Onde comprar:  R$16,50 na Fnac
   Um dos autores mais premiados e lidos no mundo, Harlan Coben traz uma nova história com o carismático Myron Bolitar em uma busca frenética por três continentes. Dez anos atrás, Myron Bolitar e Terese Collins fugiram juntos para uma ilha. Durante três semanas, eles se entregaram um ao outro sem pensar no amanhã. Depois disso, eles se reencontraram apenas uma vez, quando Terese ajudou Myron a salvar seu filho. E ela foi embora, sem deixar vestígios.Agora, no meio da madrugada,ela telefona:“Venha para Paris.” Terese pede a ajuda de Myron para localizar o ex-marido, Rick Collins, que telefonara depois de anos implorando que ela o encontrasse em Paris. Eles logo descobrem que Rick foi assassinado e queTerese é a principal suspeita do crime. Mas algo ainda mais atordoante é revelado: perto do corpo havia longos fios de cabelo louros e uma mancha de sangue que o exame de DNA revelou pertencer à filha do casal. Só que sua única filha morrera em um acidente de carro muitos anos antes. Logo Myron se vê perseguido nas ruas de Paris e de Londres. As agências de segurança de quatro países parecem querer as mesmas informações de que ele precisa para desvendar a morte de Rick e o destino da filha que Terese pensava ter perdido para sempre. Em uma busca desesperada, Harlan Coben cria um mundo de armadilhas imprevisíveis em que conflitos religiosos, política internacional e pesquisas genéticas se mesclam a amizade, perdão e a chance de um novo começo. 

   Primeiramente, os devidos agradecimentos à Editora Arqueiro pela confiança e envio do livro.

"- Quero ajudar - falei.
    Mais silêncio.
- Esqueça que eu liguei, Myron. Se cuida.
   E desligou."
p. 11


    Estava atrás de uma obra de Harlan Coben há algum tempo, por conta dos vários elogios a elas direcionados e, honestamente falando, eu esperava mais.
   "Quando Ela Se Foi" tem uma história intrigante, entretanto, alguns pontos mal esclarecidos e outros que não cabem às respectivas situações deixaram-me receosa por um bom tempo, até de fato mergulhar na história e começar a formular as minhas próprias hipóteses: efeitos de um verdadeiro romance policial.
    Myron Bolitar tem cerca de 40 anos (não me lembro de sua idade exata ter sido citada) e leva uma vida comum. Trabalha numa agência que apoia artistas ao lado das amigas Esperanza e Bi Cindy, é namorado de Ali e acredita amá-la, apesar da distância recém adquirida entre os dois. Myron tem Win como melhor amigo, e este último cumpre o melhor papel de ricaço que domina o mundo e pode tirá-los de qualquer confusão. Qualquer confusão mesmo, o que às vezes faz com  que o livro pareça um legítimo filme de ação.
   A vida tranquila e normal de Myron acaba no mesmo dia em que Terese, um antigo caso vivido muito intensamente em um passado remoto, liga pedindo que ele vá a Paris encontrá-la, após 8 anos, sem um motivo aparente. Ele jurou que não iria a seu encontro contudo, por um problema que teve em sua cidade, acaba deixando o país rumo à França e ao mistério envolvendo o ex-marido morto de Terese, Rick Collins, e, ainda, sua adorada filha Miriam - que todos acreditavam estar morta - pela qual a mãe sofreu arduamente ao longo de 10 anos escondida na Angola.
   No quesito personagem, Myron deixa muito a desejar por seus sentimentos contraditórios e, principalmente, genéricos. Destaco algumas características e atos que me incomodaram de verdade, entre eles: um homem de 40 anos combinar hora e lugar para brigar com outro da mesma idade, uma personagem que emana tranquilidade ao levar uma vida correta e que explode nos instantes mais absurdos, ainda, por fim, um péssimo, péssimo e inadequado senso de humor.

"Quando chegou a minha vez, a agente da imigração olhou para o passaporte, depois para meu rosto, de volta para o passaporte e mais uma vez para mim. Demorou-se um instante. Sorri para ela, mas sem exagerar na dose do charme Bolitar. Não queria que a pobrezinha arrancasse as roupas ali, na frente de todo mundo."
p. 33

   Entre as outras personagens, Terese é uma verdadeira incógnita. O leitor passa toda a história duvidoso quanto a seu passado e seus sentimentos. E isso não muda muito ao fim. Muitos fatos, como o auxílio dela ao filho de Bolitar anos atrás, não são bem esclarecidos e acabam por nos deixarem confusos. Até voltei algumas páginas para ter certeza de que tal coisa não tinha sido comentada ou explicada, receosa de minha própria desatenção.
   A narração em primeira pessoa por parte de Myron foi a escolha mais correta. O toque pessoal que a personagem dá à obra faz com que o leitor tenha inúmeras dúvidas e hipóteses quanto ao final. Garanto que não adivinharão!

"- Ele falou que iria me contar algo que mudaria minha vida para sempre.
   Recostei-me na cadeira, preocupado."
p. 42

   Não pude deixar de notar o patriotismo americano de Harlan Coben em alguns momentos que, novamente, foram de um senso humorístico completamente dispensável e tosco, embora esse vocábulo também não seja algo que eu goste de usar para descrever as coisas.

"Haviam monitores bem antigos, daqueles grandalhões que ocupam quase metade da mesa, fotos pessoais, flâmulas de times de futebol, um pôster da Coca-Cola, um calendário de mulheres peladas... A atmosfera do lugar, que abrigava o alto escalão da polícia francesa, não era lá muito diferente de uma oficina mecânica em Hoboken."
p. 48

   Notei, inclusive, um certo realismo/paralelismo com algumas histórias da organização terrorista mais conhecida no mundo, A Al-Qaeda. Para quem assiste aos noticiários e acompanhou o anúncio da morte de Osama Bin Laden e de seu substituto como líder, um médico egípcio, notará uma personagem visivelmente inspirada. Não falarei mais que isso para não fornecer spoilers.
   Apesar de muitos assuntos interessantes terem sido mal explorados e a narração ter pecado pelo excesso de ironismo do autor, Harlan Coben soube, de alguma forma, atar terrorismo, religião e genética em um final, no mínimo, inesperado. A obra que se passa num período de tempo bastante curto recompensará o leitor atento ao fim que, ainda assim, não apaga certas queixas que não pude deixar de fazer enquanto lia. Para os fãs de romances policiais, é bastante válido. Para os fãs de Agatha Christie, não esperem assustadoras reviravoltas entre as personagens, apenas uma saída e uma solução de um crime e de uma vida muito distintas de todas com as quais já devem ter se deparado.

"- Está disposto a ir tão longe  assim, Bolitar?
- Até onde for preciso."
p. 109

Avaliação Geral:
3 de 5 (Bom)

Beijinhos e até mais,



  

26 comentários:

Luciana Pink disse...

oi Ana
ótima resenha, o livro deve ser bem interessante

estilorosa.blogspot.com

Eduarda Menezes disse...

Nossa, quanto mistério na sinopse desse livro hehehe! Mas acabou dando vontade de ler, gostei! Gosto de finais inesperados (apesar que sou fã de Agatha Christie e você deixou um recado para nós ^^) Mas de qualquer forma parece ser interessante!

Ainda não li nenhum livro da Harlan Coben e já ouvi muita gente falar bem sobre ele!

Beijos!

Kivia Nascentes disse...

Adoro histórias que se passam na França, mas nem sempre isso significa que elas sejam boas. Não fui muito com a cara do livro. Mas a resenha ficou interessante ^^

beijos!

Julia G disse...

Imaginei que esse livro tratasse de qualquer coisa, menos de uma história de suspense! Fiquei com mais vontade de ler agora.

Beijos
Conjunto da Obra

Robledo Filho disse...

Haha, você falou diretamente comigo quando se dirigiu aos fãs da Agatha Christie, no final da resenha! Assim como você estava, eu me encontro com bastante vontade de ler um romance desse autor, que tem sido tão elogiado tanto pelos resenhistas pela blogosfera tanto como por alguns outros veículos de imprensa. Graças à sua resenha, contudo, acho que eu optaria por um livro diferente, porque esse me pareceu um daqueles romances que você esquece no dia seguinte - diferentemente de alguns da Agatha, que ficam na sua cabeça por meses e meses e que te levam a se culpar por não conseguir esquecer quem cometeu aquele crime tão meticuloso. Ah, e você estava certa: o senso de humor do Myron parece realmente desnecessário, principalmente tendo em vista a idade do personagem...

Beijão, Ana!
http://livrosletrasemetas.blogspot.com/

Luciana A. disse...

Oiiii
Tudo bem?
Estou passando pra fazer uma visitinha e te avisar que eu te indiquei para um selinho no meu blog...
Espero que goste....

Beijinhos
Relíquias da Luciana - http://lyluciana.blogspot.com/

Luana Farias disse...

Nossa adorei parece ser um livro bem interessante menina.

Bjs

Miss Carbono disse...

Li esse livro recentemente também e gostei muito. Acho que esse passado do Bolitar não é muito resolvido por que esse livro se trata de uma série e não é o primeiro, pode ser isso.

Achei o Myron uma figura, me diverti muito com a sua ironia e, em alguns momentos fiquei pasma de saber o quanto ele é "cidão".

Também foi meu primeiro livro do autor e, com certeza, vou ler outros =P

teh mais

Mar disse...

Caramba, acabei de pedir esse livro para a editora pela parceria *-* estou doida pra ler. Do Harlan apenas li confie em mim, que é muito bom por sinal.
Flor, meu blog está fazendo uma brincadeirinha : Estante Premiada, além de participar você ainda pode ganhar marcadores de brinde.
Passa lá, e veja como funciona!!!
Beijinhos. Mar
www.Imaginayre.blogspot.com

BrunaReis disse...

Estou muito ansiosa para ler Harlan Coben. AMEI a tua resenha, muito crítica e sincera. Bem analítica.
Beijos querida
Bruna
http://desbravandohistorias.com.br

Camila Costa disse...

uau 3 de 5 me surpreendeu! já vi tanto comentasio sobre como esse livro é PERFEITO que acho que acabei criando muita expectativa hm/
quero ler para ver o que eu acho kkk
beijos!
camila blog cabelos ao vento

Nana disse...

Oieee!
Ah eu tenho algo com essas coisas que 'todo mundo fala bem', sempre deixo por último sabe...e várias pessoas já elogiaram esse autor para mim e realmente fiquei curiosa.
Mas teria que pegar o primeiro livro dessa série mesmo dando pra entender, me sinto perdida...parece q falta algo.

bjs e um ótimo final de semana
Nana - Obsession Valley

♥ Nessa ♥ disse...

Adorei a dica!!achei linda a capa!
diariodeincentivoaleitura.blogspot.com

Patty Lupicinio disse...

Nossa Ana, parece ser interessante o livro.
Já ouvi falar bem do autor, estou curiosa para ler os livros dele.

beijinhos,
te espero no http://chilliinfashion.blogspot.com/
http://www.facebook.com/pages/Chilli-in-Fashion/163094077079502
http://twitter.com/chilliinfashion

Bruna Tenório disse...

Cada vez que volto aqui, tem um livro novo para acrescentar na minha lista. Desse jeito vou falir, haha!

Aline Gasparini disse...

Confesso que esse livro não despertou a minha atenção, acho que pelo fato de eu não ter gostado da capa :s Porém sua resenha ficou muito boa, quem sabe quando tiver tempo de sobra o leio :D

Beijos&beijos
Book is life

Aione Simões disse...

Dessa vez pulei a resenha!
Vou começar a ler o livro hoje e prefiro não saber muita coisa, mesmo que não tenha spoilers ai!
Vi por cima que têm vários pontos negativos que você destacou, espero que eu não me incomode com eles ^^
Beijos!

Luana disse...

Anaaaaa que divino *-*
Achei esse mesmo livro pelo mesmo preço na livraria do Shopping aqui perto.

Tô amando ;)

Adorei a resenha \o/



Bjsssssssssss

Camila C. disse...

Assim como disse o Robledo, você também estava falando comigo no final, quando se dirigiu aos fãs da Agatha - inclusive acabei de resenhar um livro dela!

Olha, eu sou uma adoradora de romances policiais, eu ADORO qualquer tipo de mistério que me faça ficar matutando por hooooras, tentando descobrir quem está blefando e quem está falando a verdade. Eu simplesmente sou LOUCA por esse gênero.

Mas pela sua resenha, eu não gostei nem um pouco desse livro. Primeiro que a Arqueiro deveria variar um pouco, a capa desse livro parece muito os do Dan Brown hahaha. Segundo que também não gostei do senso de humor do personagem, e também não gostei muito da história em si. Acho que vou passar esse ;]

Um beijo!
Pool of words

Érika disse...

Muito boa indicação anjo, vou procurar !
Amei o blog tô seguindo, dá uma passadinha no meu ? bjbj http://viceveersa.blogspot.com/

Loucos Por Livros! disse...

Eu nunca li um livro do Harlam, mas tenho uma grande vontade. Mas não começaria por esse e sim, "Cilada". Gosto de muitos livros policiais e acho que gostaria desse também.
Adorei as frases do livro que você colocou e a resenha.
Beijos ;*

Ana Carolina
http://loucospor-livros.blogspot.com

Alessandra Silva disse...

Gostei da resenha, mais esse livro não faz meu estilo. Quem sabe futuramente eu leia .
Beijos ;*

Garota de Cristal

@leticial3 disse...

Pela resenha eu não gostei muito, mas como eu já te disse Ana, Não conte a Ninguém do Harlan é muito bom!

Isabella Colmanetti disse...

Ana,

Harlan Coben também é (ou era) um escritor que me instiga(va) demais e graças às críticas e vários elogios, quase comprei o "Cilada" por esses dias. Contudo, com sua resenha, não pude deixar de me desanimar um pouco, pois vejo que sua análise é minuciosa e profunda.
O que gostei mesmo na sua resenha foi o fato de você fazer uma espécie de "intertextualidade" com o nosso cotidiano, citando a Organização Al-Qaeda e as influências em que ele pareceu usar no livro. Está de parabéns pela ótimo conteúdo e crítica na resenha! :D

Um super beijo!

Isabella Colmanetti

universoliterario.blogspot.com

Gláu disse...

a sinopse deixa um gostinho de querer saber mais....
ele ja está na minha lista pra ler um dia ..rs

bjs
www.startread.com.br

Aione Simões disse...

Como eu não tinha lido a resenha porque estava lendo o livro, voltei pra ler!
Da mesma maneira que você concordou comigo, eu também concordo com você me vários aspectos. Muitas coisas eu achava impossivel de acontecerem, faltou explicação pra outras, a história, apesar da sinopse interessantíssima, não convence muito.
E o paralelo com o terrorismo foi muito bem colocado por você!
Beijos!