29 setembro 2011

Eu Receberia as Piores Notícias dos Seus Lindos Lábios por Marçal Aquino

Título: Eu Receberia as Piores Notícias dos Seus Lindos Lábios
Autor: Marçal Aquino
Editora: Companhia das Letras
Número de páginas: 229
ISBN: 978-85-359-0736-0
Gênero: Literatura Brasileira; Romance

Queremos o que não podemos ter, diz o professor Schianberg, o mais obscuro dos filósofos do amor. É normal, saudável. O que diferencia uma pessoa da outra, ele acrescenta, é o quanto cada um quer o que não pode ter. Nossa ração de poeira das estrelas.
Numa cidade do Pará à beira de uma corrida do ouro, o fotógrafo Cauby se envolve numa história de amor clandestino com Lavínia, uma mulher tão sedutora quanto instável. Tendo por pano de fundo os conflitos entre garimpeiros e uma mineradora, o desfecho da história se anuncia desde as primeiras linhas: dado a premonições sombrias sobre o próprio destino, o fotógrafo trata de cumpri-los à maneira dos personagens trágicos.
"Estou relendo o trecho em que o professor Schianberg se ocupa da separação dos amantes; As transitórias e as irremediáveis. Ele menciona um maluco norueguês que afundou um navio como oferenda pela volta da amada. O problema é que o navio não era dele, e deu cadeia. Eu afundaria todos os navios nesta noite, Lavínia. Incendiaria o porto. Só para ver o brilho das chamas refletidos nos seus olhos escuros."
Intensidade não falta à peculiar obra de Marçal Aquino, um autor brasileiro que faz jus à literatura nacional com um modernismo todo reinventado, heróis problemáticos e um "fogo" todo naturalista, fogo de amor.

De um lado, Cauby, um fotógrafo paulista na casa dos quarenta, homem viajado, notável apreciador de música clássica, dos livros e dos fluidos da maconha. Em contrapartida, Lavínia. Mulher sedutora, jovem, ex-prostituta, abusada na adolescência, casada com um pastor e inconstante, completamente inconstante. Dois mundos paralelos que se chocam em forma de uma paixão cheia de faíscas, amor sexualmente transmissível, expressão utilizada, inclusive, antes do início da narrativa na frase: "O amor é sexualmente transmissível".

Após mudar-se para uma cidade no interior do Pará de mineiradoras e um clima notavelmente hostil, Cauby revelava algumas foto com Chang, o chinês pedófilo, quando a viu, por acaso, num dos retratos em exposição. Desejoso desde o primeiro relance naquela foto com luz adequadíssima - visão de fotógrago -, o homem jamais poderia imaginar que a dona de tais olhos e belezas encontrava-se, em carne e osso, ao seu lado. Ao vê-la, o furacão tumultuoso de sua vida dali em diante começa.
" De acordo com o professor Schianberg (op. cit.), não é possível determinar o momento exato em que uma pessoa se apaixona. Se fosse, ele afirma, bastaria um termômetro para comprovar sua teoria de que, nesse instante, a temperatura corporal se eleva vários graus. Uma febre, nossa única sequela divina. Schianberg diz mais: ao se apaixonar, um "homem de sangue quente" experimenta o desamparo de sentir-se vulnerável. Ele não caçou; foi caçado."
Aquino redigiu uma narrativa sem rodeios, sem princípios e que deu completamente certo. O texto é tão natural, tão despretensioso e, ainda assim, capaz de impressionar com tantas citações lindíssimas que fazem alusões à obra de Schianberg, um filósofo fictício, diga-se de passagem, inventado pelo autor com tamanha criatividade ao explicar tantos feitos por parte do homem e os efeitos de amar.

O livro é divido em três partes: "O amor é sexualmente transmissível", "Carne-viva" e "Postais de Sodoma à luz do primeiro fogo". Sendo a primeira e a última narradas por Cauby, das quais gostei especialmente por intercalarem, entre outras histórias figurantes, a dos moradores da pensão de Dona Jane e do careca com Marinês, sua eterna amada. A segunda parte, não menos valiosa e de suma importância à problemática tem um narrador onisciente que mostra o passado de Lavínia e seu encontro com o marido, o pastor Ernani. Entre outros detalhes na narrativa da história, um que o leitor não deixará de notar é a falta de travessão que, a propósito, em nada atrapalha a obra, apenas a enriquece com suas falas intercaladas e quase sempre, surpreendentes.

Ainda que sejam em sua maioria personagens extremamente problemáticos, é difícil não se encantar com eles. Cauby e seu jeito de "homem de sangue quente" rendido aos encantos de Lavínia. Esta, que tem uma personalidade extremamente bem composta. Por vezes, a moça é a deprimida, acanhada que nem se deixa ser tocada; em outras é fogosa, apelidada carinhosamente de Shirley por Cauby quando pedia para que ele fizesse dela uma mulher, consumiam-se. Ernani, o pastor traído, não é odioso ou um coitado infeliz, como se espera. É um grande homem, salvador da alma da Lavínia que usava drogas para desligar-se do mundo e prostituir-se, apaixonado e devoto às inconstâncias de seu furacão. O careca comove ao falar de sua paixão por Marinês até o último dia dela. Dona Jane, o menino da pensão, Viktor Laurence e até mesmo Chang, que mantinha casos com meninos e os fotografava, não conseguem deixar de despertar um sentimento de carinho no leitor, que tenta compreendê-los e enxergar sua humanidade através de seus defeitos. Não há mocinhos e vilões, há um destino que os une e depois separa, contribuindo para o realismo da obra.

Importante também ressaltar que a narrativa de Cauby se passa no presente, de certa forma, depois de tudo que está sendo narrado. A grande expectativa do leitor é saber quais fatos o levaram a tal fim e o que virá pelo futuro, outra grande tirada do autor.

Há certas antíteses e paradoxos no livro que merecem realce, como a existência de tantos amores em uma cidade extremamente banalizada, cheia de ódio e brigas. A personalidade oscilante da Lavínia depressiva e da outra, extremamente empolgada. A mulher que não fotografa humanos e o homem que apenas os fotografa. O lirismo nas passagens belíssimas que se reveza com um "chulo" despretensioso em forma de palavras de calão. Detalhes que fazem toda a diferença.

Eu Receberia as Piores Notícias dos Seus Lindos Lábios é um grande livro, uma obra valiosa de nossa literatura nacional que tem beleza e brilho desde seu título imponente até as suas últimas palavras, nas 229 páginas que prometem passar muito rapidamente e deixar saudades...
" O papel dobrado que encontrei continha uma mensagem curta. Daria um telegrama lacônico e definitivo. Uma notícia primordial de um amor vira-lata. Apenas duas palavras. Escritas numa letra redonda, graciosa, quase infantil.
Amo você.
Entendeu agora por que eu fiquei?"
 Avaliação Geral:
 Nota 5 de 5 (Ótimo)

Uma boa quinta-feira a todos,

21 comentários:

Pah disse...

Oi Ana

Nossa, o livro me parece muito profundo, senti que o amor é descrito de uma forma real, e isso me deixou curiosa, toda essa intensidade de sentimentos também, gosto tanto disso em uma obra. Vou procurar o livro, já que nunca tinha lido nada sobre ele ainda.

Beijokas

Pah, Livros & Fuxicos

Sofia disse...

Oi Ana!

Que resenha legal... O livro me parece bem tipo> Auto-Ajuda, passou pela minha cabeça, rsrs.... Mas não, né? Muito legal o autor ter criado um filósofo no livro, haha!

Beijos

Sofia - Lendo de Tudo

Livros e Tsurus disse...

Que título lindo!!!

O autor inventou o filósofo? Eu comecei a ler a resenha e pelo trecho do livro, achei que o cara realmente tinha "existido".

Parece realmente ser um livro encantador, adorei o último quote que você selecionou...


Beijinhos

http://www.livrosetsurus.blogspot.com

Esmalte de Morango disse...

Que resenha maravilhosa! Adorei!
Esse livro parece ser ótimo. Realmente parece ser um grande obra, ainda mais que é de autor nacional!
Vou procurar por ele!

Estou seguindo vocês, adorei o Na Parede do Quarto!
Beijos
http://manialiteraria.blogspot.com/

Michelle' disse...

A história parece ser muito boa mesmo!
Se não fosse por essa pilha enorme aqui eu leria com certeza, mas na melhor oportunidade, vou tentar ler.
Adorei a resenha, suas resenhas são sempre muito consistentes ^^
Beijinhos
Michelle, Minha Bagunça

Julia G disse...

Ótima resenha Ana, como sempre. Acho que gostaria muito se lesse a história. Achei até engraçado você dizer que a Lavínia é inconstante, acho que já dá para perceber isso só de ver como você descreveu a vida dela. ;D

Beijos

Luana Feres disse...

Que ótima resenha, Ana. (só pra variar né) Não conhecia esse livro, quando li o título pensei até que fosse um conto seu ou algo assim. Mas eu gosto bastante do título, diferente, marcante. De fato parece ser muito profundo e as quotes de você disponibilizou só confirmam isso. Ultimamente estou no clima para livros desse tipo, então adicionei aqui à minha wishlit.

Beijos
Mulher gosta de falar

Luciana Pink disse...

oi Ana

pelo título já dá para notar que o livro deve ser bem intenso,conforme falou na resenha

legal ver obras nacionais em destaque

bjs

estilorosa.blogspot.com

Eduarda Menezes disse...

Oi Ana, =)
O livro já conquista pelo título super diferente de qualquer um que já vi mas pelo visto não para por aí pois a narrativa nenhum pouco convencional parece ser das melhores.

Fico tão feliz de que a obra seja de um autor nacional, pois sinto que realmente cada vez mais estamos aparecendo no cenário literário ganhando mais força e espero que isso só aumente.

Gostei do modo peculiar que o autor desenvolveu sua trama e das características inseridas aos seus personagens os tornando diferentes, peculiares e únicos. Para o autor ter chegado ao ponto de criar um filósofo fictício, que pela citação que você colocou não deixa nada a desejar de um verdadeiro, ele realmente deve ser pessoa de muito talento e digno de leitura.

Não vejo problemas em narrativa sem travessão, contanto que não fique confuso, e pelo visto isso não aconteceu.

Não conhecia a obra mas fico feliz que isso tenha mudado! ^^

Beeijos!

Tainã Almeida disse...

Os adultos vivem dizendo que a adolescência é um dos perídos mais
marcantes da vida. Mais o que o adolescente pensa disso?
(sinopse do meu blog)
Acessa o meu blog?
"Blog de uma adolescente"

http://blogdeumagarotaadolescente.blogspot.com/

Espero a sua visita, se gostar do meu blog segue lá,
ficarei muito feliz. Desde já obrigada;
tenha uma ótima semana, beijos.

Tainã Almeida disse...

A resenha deste livro me parece bem interessante.
Beijos,

Sarah Nobre disse...

oi seu blog é muito fofo
adorei a resenha, parece que é muito bom mesmo

bjokas
diamantesechocolate.blogspot.com

*♡* Jane Dos Anjos *☆* disse...

Olá meninas!! É admirável o sucesso que a pagina de vcs fazem, tbm com o carisma de vcs que sempre são humildes com todos que visitam sua pagina, não poderia ser diferente.
Lá no meu blog tem selinhos pra vcs e seu Blog, se já tiver algum selinho desconsidere, mais o que não tem eu indico todos eles a vcs e no final da postagem tem um selinho comemorativos dos mil cometários no meu Blog, do qual vcs retribuíram e muito para o crescimento da minha pagina, obrigada por tudo... Um beijuuu enorme e amei o livro, estou pra terminar 'Estrada da Noite' mais não consigo, vou ver se termino essa semana!! =D

PamFardin disse...

Nossa, sua resenha ficou ótima *-*
É tão bom quando vejo alguém falando bem da literatura nacional, fico feliz, pois ultimamente, a gente sempre fica vidrado nos lançamentos estrangeiros, e esquece um pouco do Brasil :)

Beijos ;*
aritmeticadasletras.blogspot.com

Alinne disse...

Esse livro parece ser bem legal e profundo!Esse último quote é muito fofo adorei! Quero ler principalmente por ser de um autor nacional.
Beijos.

Books e Desenhos

Mandinha disse...

Oi Ana!

Não conhecia o livro e olha ADOREI o nome! Se eu o visse por aí em alguma livraria, loja virtual ou qualquer outro lugar eu pararia pra ler a sinopse, porque o nome me deixou curiosa! Mas, aconteceu melhor, né?! Eu conheci o livro aqui no seu blog, então, além de poder ler a sinopse, poderei ler a resenha! hehe :)

Que bom que gostou do livro, Ana! Pelo que você disse, eu acredito que gostaria também. Parece bem dramático, bem estruturado, intenso... E o melhor, de um autor nacional! Temos que saber valorizar e buscar ler cada vez mais livros "nossos". Não podemos esquecer quanta gente talentosa nós temos.

Beijos e um SUPER parabéns pela resenha, que foi escrita maravilhosamente bem! Parabéns, mesmo!

Boas leituras, sempre!
Amanda
Lendo&Comentando
http://lendoecomentando.blogspot.com/
:)

Carla Wolf disse...

Adoro a cia das letras,acho os livros maravilhosos,adoro o josten gaarder (acho que é assim) Enfim,deu muita vontade de ler o livro rs
http://caahwolf.blogspot.com/

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

o amor e suas dores quase sinceras

Naty disse...

Parece ser um bom liro, gostei da resenha ;D

Beijoos;*
Naty - Just Books !

P.S: Tem promo rolando no meu blog, participa > http://migre.me/5OKLn

Camila Costa disse...

Oi Ana que bom que gostou do livro! Infelizmente ele não me chamou a atenção nem me interessou, mas eu gostei muito do título; bastante poético
Beijoos

Teorias de Gi disse...

Este eu fiquei com muita vontade de ler, a história me chamou muito a atenção...e parece ser quente rsrsrsrsrsr...