14 julho 2011

Cidade dos Ossos por Cassandra Clare


Título: Cidade dos Ossos

Título original: City of Bones
Autor(a): Cassandra Clare
Tradução:  Rita Sussekind
Editora: Galera Record
Número de páginas: 459
ISBN: 978-85-01-08714-0
Edição: Rio de Janeiro 2011
Gênero: Ficção americana (IRANIANA, porque a Cassandra não nasceu nos EUA tsc tsc); Juvenil (YA book)
Onde comprar: R$19,90 na Submarino
   "O primeiro "encontro" de Clary e Jace não poderia ter sido... pior.
   Ela presencia um crime cometido por Jace e outros adolescentes tatuados e equipados com chicotes brilhantes e armas para lá de esquisitas. Ele, um nephilim - filhos de anjos com humanos - que tem como missão caçar demônios; ela, uma mundana que não se sabe por que tem o dom da Visão...
   Mas as diferenças entre os dois não impedem que em 24 horas Clary se veja envolvida pelo mundo de Jace e dos Caçadores de Sombras; a mãe dela desaparece e a própria Clary é atacada por um demônio. Aparentemente, ela não tem a quem recorrer além de Jace. Mas por que um demônio estaria interessado em uma mundana como Clary? E como de uma hora para outra ela tem o dom da Visão e percebe o Mundo de Sombras? Todos, inclusive Clary, querem saber..."

   Adoro a sensação de ter feito um bom negócio. Estava caminhando pelas ruas da minha cidade, já tinha passado por duas livrarias e estava decidida a levar um livro para casa, mesmo com outros me esperando para serem lidos, queria mais um. Um beijo para você que compreende esse sentimento! Foi então que passei na frente da Saraiva, sem esperar muita coisa, porém me deparei com vários livros em promoção. Entrei em questão existencial... Qual levar, ó senhor dos livros? Cidade dos Ossos, capa bonita, dura, com brilhos, abas resistentes, páginas que não se rasgam facilmente, livro sempre elogiado em resenhas, Jace... R$19,90. Era meu e pronto.
  
"- É nessa hora que você começa a rasgar tiras da própria blusa para fazer um curativo no meu machucado? - brincou Clary. Ela tinha horror a sangue, principalmente ao dela própria.
- Se você queria que eu arrancasse minhas roupas, bastava pedir. - Ele pôs a mão no bolso e pegou a estela. - Teria sido muito menos doloroso."
p. 183

   É neste clima descontraído e adolescente que Cassandra Clare nos conduz por sua história sobrenatural que, sinceramente falando, muito promete e nem tudo cumpre.
   Temos Clary e Simon, seu melhor amigo, indo a uma discoteca em Nova Iorque quando ela nota uma cena estranha, pessoas que é a única capaz de ver. Presencia um assassinato na Pandemônio por parte de Jace, o rapaz dos cabelos loiros e os ohos dourados pelo qual as blogueiras estão suspirando, com o auxílio do introvertido Alec e de sua lindíssima, poderosíssima irmã, Isabelle.
   Ao chegar em casa, sua mãe, Jocelyn, fica furiosa por seu atraso e, no dia seguinte, quando descobre que talvez tenha de passar todas as férias no campo, longe da civilização, de seu amigo e da cidade cosmopolita, sai furiosa com seu melhor amigo, deixando a mulher nervosa e verdadeiramente ansiosa atrás dela pelo celular. É nesta noite que dá-se a primeira reviravolta da história, quando Cassandra Clare dá o rumo sobrenatural a seu romance aclamadíssimo pelos jovens.
   Com a presença de tantos seres fantasiosos, há para todos os gostos. Vampiros, lobisomens, bruxos, demônios, nephlins e mais alguns dos quais não me lembro. A temática é boa e logo nos vemos envolvidos, extasiados pelo novo mundo que a Visão permite à Clarissa. 
   Auxiliada principalmente por Jace, ela tenta buscar as respostas que rondam sua vida e a colocam de cabeça para baixo de uma hora para outra. A relação entre eles flui naturalmente, não há aquele romance demasiadamente açucarado ou apimentado. Inclusive, o leitor ficará muitas vezes confuso quanto aos sentimentos de ambos, não fosse a sinopse do livro, que já denuncia o relacionamento provavelmente amoroso entre os protagonistas. Eles são companheiros, amigos e ,Jace, muito reservado quanto aos seus duros problemas, passa a se abrir mais, confia verdadeiramente em Clary, assim como ela nele. Os diálogos entre o casal são alegres, divertidos e muitas vezes saem faíscas dali. Jace provavelmente encanta por sua arrogância, por ser tão irritante, metido, todavia frágil por detrás de toda essa cápsula envoltória de um notável caçador de demônios. Clary é uma heroína interessante, um pouco ingênua em relação a certos fatos mas com verdadeira fibra e força de vontade. Ela realmente quer saber o que está acontecendo e impõe. Gosto disso.
   No segundo plano temos Simon que, para mim, lembra muito Luke quando jovem em seus atos. Ele sempre está lá para a amiga, independentemente do que aconteça, dos demônios que tenha de enfrentar. Simon deixaria tudo por Clary e é um mocinho verdadeiramente apaixonante. Isabelle, apesar do estereótipo e da visão que os outros dela têm, é apenas uma garota vaidosa que não se conforma em não ser a única mulher do grupo. Forte e leal, mostra-se amiga quando necessário. Alec é uma alegoria da história de Cassandra Clare, vem para abordar o lado sensível de algo muito preconceituosamente visto pela sociedade. Achei interessante a forma com a qual tenta-se quebrar o tabu. Luke é, de longe, o meu favorito. A história da personagem vale todo o livro e, em muitos aspectos, ele lembra-me o Snape de Harry Potter que, a propósito, também é o meu mais querido da série. É importante ressaltar que, como muitos outros, a autora de Instrumentos Mortais é declaradamente fã de J.K. Rowling e utiliza-a como influência notável.
   Os antagonistas deixaram muitíssimo a desejar. Valentim, desde o primeiro momento, pareceu-me completamente genérico. Para um bom observador, a questão familiar dele está escancarada desde o início, o que me deixou um pouco desapontada. E o próprio nada faz, seus exércitos são inúteis ao longo de toda a história, falam seu nome com medo, mas nada me causou...
   Além dos protagonistas, secundários e antagonistas, temos Hodge e Jocelyn. O primeiro, especialmente, uma enigma e uma descoberta interessante por seu caráter oscilante. Jocelyn tem uma história bem composta e que merece ser mais aprofundada no próximo volume da série.
   Agora você deve estar se perguntando o porquê de eu não estar completamente satisfeita... Pois vamos às devidas explicações! Primeiramente, você passa 459 páginas envolvidíssimo pela temática e pela prosa voraz de Cassandra, típica de autores do gênero. Há bastante ação, cenas com seres de outro mundo e romance na dose certa. Tudo isso, caro leitor, para chegar a lugar nenhum. Cidade dos Ossos levanta várias questões. Temos entre elas o Cálice, questões familiares, a mente de Clary, Jocelyn, Jace, Valentim, os casais e nada. Nada nesse meio se resolve. Quando terminei de lê-lo fiquei com uma expressão de "brincadeira, né?" ou então "sério que acabou aqui?". Este primeiro volume da série é puro e meramente introdutório. Outra que, ao que parece, muitas meninas (nem todas), só dão nota 5 (ótimo) porque o Jace é lindo, maravilhoso, sarcástico, musculoso e tem olhos dourados. Ah, tá... A própria Stephenie Meyer tem um comentário na capa do livro. Essa mulher é amiga de todos, né? Meyer, dá para você sumir um pouco das capas e versos dos meus livros? Obrigada... Já a tenho suficientemente na minha estante. E como eu não li Jace dos Ossos, deixo a minha opinião crítica bem clara.
   Se eu gostei de Cidade dos Ossos? Naturalmente... Se eu indico a leitura? Claro, mas só se você comprar juntamente com Cidade das Cinzas, a não ser que queira ficar com uma expressão de descrença semelhante à minha. Espero que pelo menos um dos problemas se resolva no segundo volume da série...
   A sensação que eu tive? Pode ser exagero, todavia parece que Cassandra Clare utilizou-de uma tática de vendas para obrigar que o leitor compre o próximo volume porque, sem ele, a história fica bem perdida no ar. Ou talvez ela apenas tenha inventado tanta coisa que acabou não cabendo em um volume e foi prolongando, prolongando...

Avaliação geral:

Nota 3 de 5 (Bom)

"[...]Pode ser que haja um Deus, Clary, pode ser que não, mas seja como for, isso não faz diferença. Seja como for, é cada um por si."
p. 248



Fico à espera da sua opinião... Vamos debater!

13 comentários:

Thamires R. disse...

oie flores!
Eu vim aqui dizer q tem um meme lá no blog LdC esperando por vocês, venham conferir e respondê-lo:
http://laco-de-cetim.blogspot.com
Beijão

Dani disse...

Eu estava gostando bastante de City of Bones enquanto lia (foi antes de ser lançado aqui no Brasil e antes desse fuzuê todo), aí veio o final e... really? STAR WARS, OI.

Aí eu li o segundo livro e me irritei profundamente. O Jace, do qual eu antes gostava, ficou chato demais. A Clary nem se fala.

Depois que a série The Mortal Instruments "ficou de molho" na minha cabeça, ela foi perdendo a graça cada vez mais. Chegou ao ponto que eu nem concordo mais com a nota e a resenha que fiz no Skoob, hahaha.

Mas adorei a sua resenha! Realmente, muita coisa fica no ar nesse primeiro livro. Fora que eu acho que a história seria bem melhor sem os vampiros e lobisomens no meio.

Beijos!

Patricia Ferreira disse...

Olá Anna ! Tudo bem ?

Nossa sério que você não gostou tanto, bom, adoro ler suas resenhas, pois amo o jeito que você expões duas opiniões. Bom, eu ainda não li Cidade dos Ossos e então não posso falar nada, mas eu quero muito ler.
E tenho grandes expectativas... Mas é uma pena que você não tenha gostado tanto assim!

Beijoos, Patty
Cartas para Ficção

Luana Farias disse...

bah eu quero demais esse livro, todo mundo fala bem dele então... ainda bem que vou ler logo.

Bjs

Luana Feres disse...

Todo mundo fala bem desse livro, diz que é bom e bem escrito. Não tinha muita vontade de ler por conta do tom sobrenatural que tá meio chato já, mas devido as resenhas posotivas que li, mudei de ideia. Pena você não ter gostado, mas gostei do jeito que você expôe suas opniões.

Beijos
Mulher gosta de falar

Eu Tenho Livros disse...

A Cassandra Clare tem conquistado o respeito de muitos leitores, mas ainda não me atriu.

Talvez eu leia para entender melhor a intenção da autora.

Deivison Amorim
@eutenholivros
http://eutenholivros.blogspot.com/

αmαndα cristinα ツ disse...

Acho que o que mais fez (e faz) as pessoas comprarem este livro, é capa. Muito bem elaborada e bem brilhante!
Não é um livro que me agrade demasiadamente, mas como já disse, a capa é tão linda que quero comprar (mas pela capa que pela história em si)
Gostei muito de sua resenha, bem verdadeira! :D

Beijinhos, :*

Carol Espilotro, disse...

Nossa, como eu amo essa série >.< Lembro que quando comecei a ler era tipo 2008, ai viciei e dava aquelas depressões de esperar um ano para chegar o próximo livro! UKHSKDUHSKDU CdO só é um esquenta da primeira trilogia de TMI x3

Beijos, World of Carol Espilotro - carolespilotro.blogspot.com

Tarsila Rodrigues disse...

Hm... Todo mundo elogia mesmo. Mas eu não fiquei animada para ler não. E acho sim que o primeiro livro de uma série já tem que resolver algumas coisas. =/ Que as capas de IM são lindas é fato.
Beijos

Leeh M. disse...

Leio muitas resenhas sobre esse livro, e nunca me interesso muito. Não é minha prioridade de leitura, mas quem sabe um dia eu possa ler... E... não gosto muito de livros que deixa um suspense, puts, eu fico pensando: "Já acabou? E agora?" ... entro em desespero. Depois fico rindo porque a curiosidade toma de conta. rsrsrs Bem maluco, eu sei.

A capa é muito linda, e acho que se eu comprasse um dia seria pela capa :x


Beijooooooooos






Leeh
PGI

Gabriele Santos disse...

Eu ainda não li este livro, por isso não posso entrar em um debate mais aprofundado.
A capa é linda e isto é um fato!
Toda vez que falam que um livro não é tão bom eu fico com vontade de ler só para saber se é isso mesmo auhsausha
você me deixou ainda mais curiosa. aushauhs
Também concordo que algumas dúvidas que foram levantadas ao longo do livro devem ser sanadas ainda no primeiro. Livros somente introdutórios não é nada legal.

Robledo Filho disse...

QUE RESENHA FANTÁSTICA, Ana! Sério, achei extremamente profissional a forma como você descreveu cada personagem e como conduziu o seu leitor através do raciocínio; quando você disse, por exemplo, que nós devíamos estar nos perguntando o motivo da sua insatisfação, era exatamente isso o que eu estava fazendo!
Quanto ao livro: por algum motivo, não sinto um ímpeto de afastamento em relação a Cidade dos Ossos, embora o sinta em relação à maioria dessas obras fantasiosas. E olha que, segundo você, o livro é um verdadeiro baile de criaturas místicas ("Vampiros, lobisomens, bruxos, demônios, nephlins [...]"). A sua resenha é a primeira que eu leio que ressalta esse caráter do final do livro, e esse é realmente um ponto a ser estudado. O Caíque vai começar a ler Cidade dos Ossos a qualquer momento, e estou ansioso para ver se a sua opinião e a dele se assemelham ou não.

Beijão, Ana!
http://livrosletrasemetas.blogspot.com/

Aline Gasparini disse...

Ainda bem que ainda não li Cidade dos Ossos apesar de ele já estar a tempos na minha estante, vou comprar Cidade das Cinzas primeiro para ler um logo em seguida do outro e não ficar com a mesmo sensação que você. Enfim, adorei a resenha :D

Beijos&beijos
Book is life