01 dezembro 2011

Um Homem de Sorte, por Nicholas Sparks


Título: Um Homem de Sorte
Título original: The Lucky One
Autor: Nicholas Sparks
Tradução de: Marsely de Marcos Martins Dantas
Editora: Novo Conceito* (cortesia - editora parceira)
Número de páginas: 349
Edição: 2011
ISBN: 978-85-63219-13-8
Gênero: Romance; Literatura norte-americana
"- Ela dá sorte - insistiu Victor, aproximando-se de Thibault. - Você é um homem de sorte. E quando terminar sua missão por aqui, deveria ir procurar a mulher da fotografia. Sua história com ela ainda não acabou."

Quando nos habituamos à leitura, é difícil não nos depararmos com os mais diversos tipos de autores. Alguns que nos marcam, tanto de uma forma positiva quanto negativa. Uns mais dramáticos, outros, quem sabe, supérfluos. Há aqueles autores que, pelo simples e genuíno poder da palavra, amamos. Já há aqueles outros para os quais torcemos o nariz. Em termos de Nicholas Sparks, apesar de ter me emocionado especialmente com A Última Música, nunca apreciei muito sua literatura de fórmulas, em larga escala que parecia sempre seguir o caminho do sucesso com personagens devotos à fé, mortes cancerígenas para chorar e amores abstratos, completos, sem as eventualidades frívolas da paixão. Um preconceito, indubitavelmente.

E saberão os bons leitores que não é saudável iniciar uma leitura com certos preconceitos, temeroso de que todos eles se concretizem. Em contrapartida, podem ser alegres as emoções descobertas em um livro simples, sem grandes reviravoltas, mas uma mensagem sincera de um amor terno e de crenças, não falando-se da fé religiosa, contudo de outra ainda mais forte, aquela à qual nos apegamos quando, aparentemente, deve-se toda uma vida a um simples fato. São qualidades que eu facilmente atribuo a esse lançamento do best-seller Nicholas Sparks, Um Homem de Sorte.

A história gira em torno de três personagens: Logan Thibault, Elizabeth e Keith Clayton. Logan é soldado e passou anos de sua vida servindo a pátria estadunidense nas guerrilhas no Iraque. De lá trouxe consigo muitos traumas, um amadurecimento precoce, memórias tristes e outras de amizade, porém, mais importante que tudo, trouxe uma foto encontrada no meio do deserto de uma linda mulher cujo nome começava com a letra "E", descobriu por sua assinatura atrás da mesma, que endereçava provavelmente a um amigo ou irmão que vivia a guerra, com as seguintes palavras: "Se cuida! -E". A partir daquele instante, após ter procurado pelo dono da fotografia e não tê-lo encontrado, a imagem da moça loira tornou-se seu amuleto de sorte, ainda que negasse com todas as forças, acompanhando-o nos momentos mais sombrios da trajetória.

Muitos amigos de Logan viram a morte enquanto ele, de alguma forma, pareceu sempre escapar da mesma por um triz. Os soldados começaram a se afastar dele, como se todos que estivessem próximos pudessem sofrer um terrível acidente enquanto que nada aconteceria a Logan Thibault. Ainda no Iraque, fez um melhor amigo, Victor, que o acompanhou até os Estados Unidos e lhe convenceu de que deveria ir atrás da mulher que supostamente teria salvado sua vida de todos os infortúnios, imaculada. Extremamente perturbado com os acidentes que sucederam a conversa de ambos, decidiu dar um rumo a si mesmo e juntamente a Zeus, seu pastor alemão, fiel companheiro, caminhou de norte a sul dos Estados Unidos, do Colorado à Carolina do Sul para encontrar a mulher que o destino poderia ter colocado muito sutilmente em sua vida, agradecê-la, de alguma forma.

É daí que surge Elizabeth, o tal -E de sua fotografia, uma mulher sozinha, que pela ação do ex-marido egoísta, Keith, não consegue iniciar um relacionamento amoroso. Além disso, muito preocupada em cuidar do filho, Ben, e da avó, Nana, passa a deixar de lado sua essência de mulher, feminina, para dedicar-se à família e ao emprego de professora. Até o dia em que Logan entra em sua vida e, de alguma forma, surge uma compreensão mútua entre os dois, uma necessidade de terem um ao outro e libertarem-se juntos dos infortúnios do passado, saudando de bom grado um amor que há de nascer.

Não há spoiler em todas as informações acima, mas seria ironia dizer que a história vai muito além disso. E nem precisaria, para ser honesta. Nicholas Sparks, de alguma forma, numa temática descomplicada, mostra-nos um romance, real e palpável entre os dois que surge da crença à qual Logan se apegou em nome de sua própria vida. Mostra-nos a personagens maduros e adultos, que não têm tempo a perder para se preocupar com as divagações de uma paixão adolescente e que compreendem um ao outro, uma notável aceitação.

A sorte não aparece aqui como um evento sobrenatural, contudo uma simples crença que aqueles que sofreram grandes traumas gostam de ter consigo. Apesar de toda a enfática caminhada que Logan faz ao lado de Zeus para encontrá-la, um lado mais romântico e surreal da história, passamos a notar, aos poucos, que Elizabeth talvez não seja o único motivo para estar ali e passa a influenciar na vida de outras pessoas, a concretizar o que antes não foi feito.

A narração é conduzida em terceira pessoa, mas alterna entre os pontos de vista dos três e assume muitas vezes o discurso indireto livre, com alguns pensamentos dos mesmos embutidos no texto. Logan é um personagem muito simples, um homem calado como reflexo de toda a barbaridade que viu. Um homem decidido, que intimida e exala sinceridade. Um homem que, como a própria Beth diz, sabe apreciar o silêncio sem se incomodar com o que poderia ser um vazio. Elizabeth é o reflexo de mulheres que amadureceram mais cedo pelo nascimento do filho e o sucessivo abandono de Keith logo após o casamento. É desconfiada, sincera e espera poder amar para ser amada. Keith é imaturo, egoísta, mas ama o filho, de alguma forma.

Posso dizer que gostei sinceramente do livro, talvez pela atmosfera mansa dele, pelo romance que é sincero, sem ser piegas ou dramático, como talvez esperasse por parte de Nicholas Sparks. Um Homem de Sorte é, acima de tudo, um encontro entre duas almas talvez não destinadas, mas que se completam, de alguma forma.
"Tinha atravessado o país a pé à procura de uma mulher que só conhecia por meio de uma fotografia, e acabou lentamente, mas definitvamente, apaixonando-se por essa mulher real, vulnerável, bonita que o fazia sentir-se vivo de uma froma que não sentia desde a guerra. Não entendia inteiramente a situação, mas nunca tivera tanta certeza de um fato na sua vida."
Avaliação Geral:
 Nota 4 de 5 (Muito Bom)

Uma boa quinta-feira a todos,


22 comentários:

Raquel Pereira disse...

Ei Ana,

Que resenha perfeita.
Bom, eu amo os livros do Sparks, mesmo alguns sendo dramáticos demais.
E esse me parece mais interessante ainda por ser uma história que pode ser real.

Bjok

Natalia Dantas disse...

Oi, Ana :D

Resenha mara ^^

Gosto muito dos livros do Nicholas.

Beijos :*
Natalia.
http://musicaselivros.blogspot.com/

Julia G disse...

Sem palavras para essa resenha ;) Linda. Eu adoro os livros do Sparks, para ser sincera, então acho que vou gostar desse também, apesar de não ficar tão curiosa com ele. Mesmo gostando, essa mesma receita para quase todos os livros acaba cansando um pouco ;~

Beijos

Planet Pink disse...

Apesar da fórmula, eu gosto da escrita do Sparks, sempre me emociono, me trasporto, apesar de não ter lido tantos assim ainda dele.

Mas estou muito curiosa com este!
Bela resenha =)

;******

Aione Simões disse...

Oi Ana!
Acho que você nem deveria considerar um preconceito o fato de não gostar das fórmulas do Nicholas, afinal, você já as conhece! Acontece de algo nem sempre agradar ^^
Entretanto, é muito bom ver que, ainda que você tenha um pé atrás, gostou de Um Homem de Sorte!
Seus comentários poderiam ser facilmente aplicados aos outros livros dele: uma história descomplicada, um amor real e sincero!
Foi a primeira resenha que li do livro e se antes eu já queria lê-lo, agora quero ainda mais!
Beijão!

Luana Farias disse...

Ta bem vou confessar!! Não li a resenha porque recebi o livro e quero ler sem nenhuma novidade, acho que depois de um tempo vai ser dificil escapar das resenhas mas n quero ler além.

Bjs

Kassiane Cardoso disse...

Amei a resenha
o livro parece ser muito bom...
apesar de eu particularmente não ter gostado muito da capa(não me chamou muita atenção ela)
mas há aquele velho ditado bem conhecido neh
''nunca julge um livro pela capa''
então espero ter a oportinudade de ler ele

Bjos
gosto muito do blog de vcs

Gisele disse...

O livro parece ser muito bom!!!!
Não resisti e comprei ele..alias troquei com um vale presente que eu tinha aqui!!!..não vejo a hora de poder ter tempo para ler!!!!

bjus

Endry disse...

Eu curto os livros do Nicholas, apesar de todo apelo emocional... Mesmo ficando mal por dias, às vezes (inconstante, hihi). Fiquei muito curiosa com este livro, pois parece ser um pouco diferente dos já bests do NS.

Beijinhos

Camila Costa disse...

OI Ana!
Bom, eu gosto dos livros do Nicholas Sparks (exceto querido john --') mas não sei eu tenho mesmo algo contra o Autor em si como pessoa, acho ele meio falso sei la... mesmo assim, não tenho preconceito contra suas obras, muito pelo contrário, tem um motivo para las fazerem tanto sucesso, e eu admito que é a qualidade. Estou co o livro lá em casa e não vejo a hora de poder lê-lo
Beijão!

Teorias de Gi disse...

Nunca li nada do Nicholas Sparks, alias tenho q mudar um pouco minha leitura e sair dis YA books o q é dificil, mas to precisando ler livros com outros desfechos rsrssrsrsr este parece ser bom simple mais bom e vc deu nota 4 o que tbm é bom rsrssrsrsrs.

beijussssss Ana e um lindo fim de semana a ti!

Leitura entre Amigas disse...

Gosto muito dos livros do Nicholas, e a gente acaba conhecendo o tipo d história q ele gosta de contar, então p eu ler um livro dele depende muito do momento...
Gostei muito da tua resenha e é claro q esse livro vai entrar na minha lista de desejados ^^

Bjs

Amanda

αmαndα cristinα ツ disse...

Desde que o livro chegou aqui em casa pelo envio da Novo Conceito para resenha, estou com certa curiosidade sobre esse livro. Gosto da forma como Nicholas Sparks escreve. Adorei Noites de Tormenta, Um Amor para Recordar e A Última Música, mas, em contrapartida, não gostei de Querido John, então fica aquela dúvida: será que esse será tão bom como imagino ou não?
Gostei de sua resenha... Pegando nessa parte da fé religiosa, acho interessante ele colocar em seus livros, pois sou católica e admiro muito à Deus, mas, claro, existem pessoas que não gostam e, por esse motivo acabam não gostando dos livros.


Beijinhos, Amanda Cristina.
www.primeiro-livro.com

Lu Tazinazzo disse...

Eu sempre tive muito preconceito com a obra de Nicholas Sparks, mas nem li nenhum livro do autor ainda. Não sou tão fã do sugar romance, mas em breve vou me esforçar a acabar com meu preconceito e vou ler Querido John. Dependependo do curso das coisas, talvez eu leia Um Homem de Sorte =)

Beijos

Lu Tazinazzo
http://aceitaumleite.blogspot.com

Kivia Nascentes disse...

Ei Anaaa!
Andei sumida daqui né? Esse fim de semestre na faculdade foi tensão pura, por isso me afastei totalmente do blog. Mas agora voltei a todo vapor (:

Sabe que eu nunca li nada do Nicholas Sparks, e nem tenho muita vontade de ler para ser sincera, já vi dois dos filmes baseados em livros dele, mas não consigo gostar não.

beijos querida.

Luana Feres disse...

Eu realmente tenho o mesmo preconceito que você com relação ao Sparks. Já li dois livros dele e tenho outro e não conseguiu sair do "bom", para mim. Não me emocionei em A ultima musica, na verdade achei o livro extremamente fraco. Achei Ronnie boba, meio egoista, imatura demais. Gostei do pai dela e de seu irmão e até Will, mas fora isso..

O que quero dizer é que se alguém poderia me fazer considerar ler um livro do Nicholas sem esse imenso pé atrás, é outra pessoa que também já o teve. No caso, você.
Eu genuinamente gostei da sua resenha, Ana. Logan parece ser um personagem muito bacana de se ler, então eu leria, o livro. Não acho que compraria, mas leria, numa boa.

Beijos

Carolina Mello disse...

Bem, eu, sinceramente, não gosto dos livros do Nicholas. Antes, o que eu tinha era realmente preconceito pois só havia assistido aos filmes adaptados dos livros do Nicholas, e por não ter gostado da maioria (o único que realmente me interessa é Diário de Uma Paixão), não sentia vontade de ler os livros; até que decidi dar uma chance a ele e comprei Noites de Tormenta em uma livraria: não me decepcionei e nem me impressionei com o livro, pois continuei tendo a mesma opinião sobre o Sparks que tinha antes de ler algo escrito por ele. Agora não considero mais minha opinião como um preconceito, já que conheço um pouco do estilo do autor. Eu só não gosto de como, e do que, ele escreve.

Beijos, Carol.

www.perdidanaestante.blogspot.com

Carolina Mello disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Eduarda Menezes disse...

Anaaa,

Só uma pessoa muito esclarecida e segura de si tem a coragem o suficiente para dizer o que realmente pensa sobre o Nicholas Parks, sem temer a reação do público em geral! Pois digo uma coisa, pelo número de comentários aqui, acabei de descobrir que muita gente não gosta, e curiosamente nunca havia escutado uma crítica sequer ao autor antes.

Dito isso, deixo claro que apesar de saber perfeitamente que o autor segue uma fórmula pre-estabelecida e que muito provavelmente eu nunca poderia ser encaixada nesse ideal de mocinha do Sparks, confesso que amo as suas obras. A maneira que ele escreve sobre o amor e todo esse bla bla bla romântico e meloso - piegas eu sei, sempre me deixa super derretida e chorosa! Mas eu gosto, fazer o que rsrs E suspiro demais com os seus personagens. Não são os meus livros preferidos, mas estão entre os que eu sei que vou gostar mesmo antes de começar a leitura... e sei que vou chorar, e muito! Até porque uma das coisas que eu mais gosto nele é a forma que ele fala sobre o amor de pai/filho, sempre achei muito bonito.

Mas adorei a sua crítica, e a sua sinceridade em relação a esse assunto! Tenho certeza que vou adorar Um Homem de Sorte, ainda mais depois de tudo que você disse. O livro parece ser de uma simplicidade incrível, mas que ainda assim nos prende a atenção. Gostei de tudo que você falou! E é por essas e outras que eu sempre irei voltar no seu blog, porque sinceridade assim não está fácil de encontrar hoje em dia!

Beijos, querida! Mais uma ótima resenha como sempre!

raqueelsouzaa disse...

Eu quero muito ler esse livro gente.
Nicholas Sparks nos surpreende a cada livro escrito.

Naty disse...

Sou fã assumida dos romances do Nicholas Sparks, adoro os livros dele, apesar de concordar que são todos dramáticos e tudo o mais, mas eu gosto de livros assim... Fazer o que né? rsrs'

Esse livro eu quero muito ler, a sua resenha foi muito bem escrita, não tenho lido muitas resenhas desse livro em questão então não tenho certeza se está todo mundo gostando e talz. Mas se você gostou do livro mesmo não sendo fá do Sparks, eu com certeza vou gostar, né? haha'

Bj;*
Naty.

Andressa Leite disse...

Parabéns pela resenha. Já comecei a ler Querido John, mas não tive tempo de terminar. Sempre ouvi muitos comentários positivos sobre o Sparks. Apesar de suas obras emocionantes e bonitas, sempre tive a sensação que seguiam a mesma linha. Esse é um livro que com certeza quero ler.